domingo, 22 de outubro de 2017

ADVOGADO ESCREVEU O ASSASSINATO DA PRESIDENTE DO BRASIL

Sim, meu caros, é exatamente isso o que vocês leram. O assassinato da presidente do Brasil não só é possível como já foi escrito.


CAPPATTI é um advogado e foi dele a autoria de "O ASSASSINATO DA PRESIDENTE DO BRASIL", romance com pegada criminal, política e social, lançado em 2015, pela editora Selo Jovem. Com esposa e filho, o cenário contemporâneo de incertezas e descrédito da política brasileira serviu de inspiração para esta ficção que mexe (admita) com o imaginário de muitos.

"O ASSASSINATO DA PRESIDENTE DO BRASIL" convida o leitor a mergulhar no que há por trás das poderosas cortinas da soberana política brasileira. Uma trama intensa que fala de amor, paixão, moral, ética, ordem, política (é claro!) e filosofia, misturando fragmentos de realidade ao alto teor imaginário e envolvente. 

O livro pode ser encontrado nos sites das grandes redes do ramo (Submarino, Lojas Americanas, Amazon, Walmart, Shoptime etc.). Entretanto, sempre é bom informar que o site da editora Selo Jovem está com uma super promoção: de R$ 35,00 por R$ 19,99. E ainda há um desconto a mais para a opção de depósito bancário.

Saiba mais sobre o livro (características técnicas, sinopse, autor e descontos na compra) direto na Selo Jovem. É só clicar aqui 


ZÉ CARIOCA N° 2383


Olá, pessoal! Voltei com mais uma postagem de Zé Carioca, desta vez é o n° 2383, publicado em Maio de 2013, pela Abril Jovem, contém 52 páginas e o preço de R$ 3,20 (três reais e vinte centavos). 


Logo no primeiro quadrinho já há a indicação de que a revista abre com uma HQ inédita, sinais de novas produções de quadrinhos Disney que vigoravam na época. "O ROLO DA CHAMINÉ" é uma HQ muito divertida em que o Zé vai trabalhar como limpador de chaminé. Acontece que malandro é malandro e mané é mané. A gente sabe até onde vai o esforço do Zé. No máximo, por umas duas páginas e depois sobra tudo para os amigos. O Nestor, normalmente, é quem acaba vivenciando por tabela as consequências da malandragem do papagaio, mas às vezes ele também 'cola' no Pedrão, no Afonsinho, no primeiro que aparecer. A Rosinha sabe bem como é.



Roteiro do grande Arthur Faria Jr., profissional que tem um respeitoso e admirável histórico nas produções da editora.  Carlos Edgard Herrero, outro Mestre Disneyano das antigas e responsável pelo prestígio crescente dos quadrinhos brasileiros, fez os desenhos. A arte-final tem os créditos de José Wilson Magalhães. Show de bola!

"MICROMACACADAS" vem a seguir. É uma trama com o Pena das Selvas, um faceta brincalhona que criaram para satirizar o Tarzan. Peninha é o personagem ideal, tanto que foi usado para vários outros esquemas desse tipo: "Pena Kid, Pena Submarino, Morcego Vermelho etc. 

Nessa história, Peninha (Ops!), digo, "Pena Kid" se vê às voltas com o desaparecimento de um amigo gorilão. Ele foi levado por um cientista cujas intenções não são nada boas. Cabe ao heroico (ahahah) pato das selvas a missão de resgatá-lo. 


Pelos traços e o tipo de arte, dá para notar que ela não é dos anos 70, pois naquela época vigorava o estilo mais simples, com poucos detalhes e traços retos e nenhum pouco angulosos, exatamente o contrário desses desenhos que já apresentavam linhas bem mais curvilíneas e maior angulosidade. O cenário era rico e com boa percepção. Eram assim muitos trabalhos dos anos 80. Esse é de Janeiro de 1986, publicado pela primeira vez em Tio Patinhas n° 248. E olha que curioso: pesquisando no INDUCKS, percebi que a HQ que abre essa edição do Patinhas, segundo consta lá, nunca foi republicada por aqui. Será que não está na hora dos novos leitores conhecerem "A MALDIÇÃO DO FARAÓ"? Aliás, ainda mexendo nos dados dessa revista do Patinhas, há uma outra HQ nunca republicada: "O MENSAGEIRO MOTOQUEIRO". E várias que só tiveram uma única republicação.

"CIÚME NUNCA MAIS!" é a terceira HQ, bem divertida, que expõe um rolo entre Zé e Nestor que envolvem uma terceira pessoa (desconhecida) do sexo feminino. Essa situação faz com que Zé fique mal falado. O pior é que a história, toda cheia de malícia e mau-entendido, chega aos ouvidos da Rosinha. E aí é que começa de verdade a trama. rsrsrs... 

Roteiro de Gerson L. B. Teixeira que por anos e anos fez vários trabalhos para a Abril e, atualmente, está na MSP. Desenhos de Aparecido Norberto. Publicada pela primeira vez em Zé Carioca n° 1997, de Abril de 1994. Aliás, bem interessante essa edição com capa lindona de Copa de Mundo e HQs bem diferentes com Pateta, Urtigão e a turma da Pata Lee. 

"O RESTAURANTE AO LADO" é para dizer que Tony Strobl não poderia deixar de 'dar as caras' em uma edição divertida como esta. Um restaurante é aberto bem ao lado do banco do Patinhas. Adivinha se os patos mais queridos e atrapalhados dos quadrinhos não vão lá, conhecer o ambiente. Acontece que o negócio era apenas uma fachada. Os sócios, que não eram os Metralhas, mas tinham toda pinta de bandidos, só queriam tempo para invadirem e saquearem toda a fortuna do banco. 

Eu achava bem legal Patinhas ter jornal próprio, banco próprio, uma porção de aquisições próprias. Donald e Peninha sempre eram encarregados de darem conta de tudo. Coitados! Obra de Outubro de 1971 e foi publicada primeiro em O Pato Donald n° 1038. Uma curiosidade: essas revistas do Donald, naquela época, continham apenas 32 páginas ao todo. As HQs eram bem mais curtas e simples. Essa mesmo, por conter 10 páginas, foi a que abriu a edição. Depois vieram Banzé e Margarida.

"EM NOME DA CIÊNCIA... E DO AMOR" fecha a edição, com roteiro de Raimundo Guimarães de Cerqueira Júnior e desenhos de Aluir Amancio. É a HQ mais curta e fraca. Não é ruim, pois cumpre bem a função de entreter. Só achei as anteriores melhores. Foi publicada pela primeira vez em Zé Carioca n° 2040, em Janeiro de 1996.

As imagens são do meu próprio exemplar e as pesquisas foram feitas no INDUCKS


sábado, 21 de outubro de 2017

SELO TALENTOS PUBLICA NOVO LIVRO DE ANAPUENA RAVENA

"ENCANTOS DO CAFÉ" está em pré-venda no site da Selo Talentos (divisão que faz parte editora Selo Jovem). O romance é inspirado em uma das épocas mais importantes da história da agronomia brasileira: o ciclo do café.


A trama retrata uma típica família italiana que vem ao Brasil influenciada por promessas de uma vida confortável. Já com destino certo de acolhimento em uma boa fazenda, constatam logo que tudo o que ouviram não passara de mero marketing, pois a vida naquela nova realidade exigiria muito deles.

Anapuena Havena, a autora, sempre gostou de contar belas histórias. Foi em 2016, através da publicação física de seu primeiro livro infantil, "O PRÍNCIPE QUE NÃO SABIA BRINCAR" (editora Multifoco), que ela ganhou ainda mais notoriedade. Em 2017, lançou "DESCOBRINDO A NOBREZA DO AMOR" (editora Buriti) e participou de duas antologias: "ALÉM DA TERRA, ALÉM DO CÉU" (Chiado Editora) e "HISTÓRIAS PARA DORMIR E SONHAR" (Edições Horus).

"ENCANTOS DO CAFÉ" pode ser comprado desde já, em sua pré-venda, sob preço promocional e ainda com mais um desconto na opção de pagamento via depósito bancário. 

Acesse o site da Selo Talentos e saiba mais 


ZÉ CARIOCA N° 2384


Hoje me deu vontade de falar de uma revista do Zé Carioca. Mas, diferente das postagens anteriores, não quero apenas restringir à capa. Vamos lá! 


Zé Carioca n° 2384 foi publicada em Junho de 2013, pela Abril Jovem, possui 52 páginas ao todo (incluindo capa e contracapa) e o preço de R$ 3,20 (três reais e vinte centavos).

Ela traz a HQ inédita (na época, uma novidade que sinalizava a volta da produção nacional de quadrinhos Disney) "MOLEZA MÓVEL", com roteiro de Arthur Faria Jr., desenhos de Luiz Podavin e cores de Fernando Ventura. A agência de detetives MOLEZA vai mal das pernas e a ideia é fazer com que ela fique ainda mais acessível às pessoas. 


Em seguida vem "SESSÃO DE RECLAMAÇÕES" (de Tony Strobl), publicada pela primeira vez em O Pato Donald n° 1146, de Outubro de 1973. É mais uma das muitas aventuras que se passam envolvendo a produção de "A PATADA", o jornal do Tio Patinhas. Ele convoca Donald e Peninha para trabalharem na sessão de reclamações. Os dois não gostam nada, pois sabem que terão que dispor de muita paciência. É fácil reconhecer as histórias do Tony Strobl, pois ele tem uma característica ímpar de fazer os quadrinhos com linhas bastante retas e visual sóbrio. Os personagens possuem um estilo mais esguio, estático e menos dinâmico, o visual é composto por linhas que parecem traçadas com muita delicadeza e cuidado. Nos anos 70, certamente, esse estilo era considerado muito bonito, apesar de ser um diferencial comparado a Barks e Taliaferro: dois nomes de bastante admiração e reconhecimento. E olha que essa sobriedade fez com que Tony Strobl atravessasse várias gerações com suas tramas republicadas ainda hoje. É a genialidade que existe na simplicidade.

Depois vêm "O MILÉSIMO" (de Euclides K. Miyaura) e "O ESTRANHO CASO DO PALITO QUEBRADO" (Moacir Rodrigues Soares)

"O MORCEGO VOADOR" é bem bacana. Ivan Saidenberg (roteiro) e Carlos Edgard Herrero (desenhos) são dois nomes que muito contribuíram para o acervo nacional das obras disneyanas. Essa HQ foi publicada primeiro na revista Edição Extra n° 56 - Novas Aventuras do Morcego Vermelho, em Dezembro de 1973. Não é por acaso que os quadrinhos lembram bastante o estilo da simplicidade e da genialidade de Tony Strobl. O Carlos Edgard Herrero tem essa mesma característica de proporcionar cenários mais simples, sóbrios e personagens mais esguios. a diferença (nessa época, bem sutil) era que Strobl ainda possuía um traço um tanto mais "delicado" (ou seria "cuidadoso"?) no rosto dos patos. Herrero colocou na mesma trama o Morcego Vermelho (que é o Peninha), o João Bafo-de-Onça, o Professor Gavião, o Professor Pardal, o Lampadinha, o Donald, o Patinhas e até o Zé Carioca acabou aparecendo em uma foto. Uma bela salada envolvendo o desejo de Peninha: o Morcego Vermelho tinha que voar. Aprecio bastante esse material clássico do Morcego Vermelho, pois ele é bem divertido em suas tentativas de ser heroico. As tiradas lembram um pouco o estilo inocente do Chapolin Colorado - uma tosquice que dava certo.


Duas histórias encerram esta edição: "A ARTE DO DESCANSO" (de Rogério Soud) e "MEDITAÇÕES" (de Eli. Marcos M. Leon). 

As imagens são do meu próprio exemplar e os dados, como as datas das primeiras publicações, são do INDUCKS.


sexta-feira, 20 de outubro de 2017

CHICO BENTO N° 25 - CAPA


Chico Bento e Zé Lelé assustados com o tamanho do ovo que encontraram no galinheiro. A capa até que é divertida. A chamada traz uma história de abertura mostrando um Chico Bento que não sabe diferenciar uma avestruz de uma galinha. Dentre varias outras, destaque para a trama em que Jotalhão está encanado com o tamanho de sua... tromba! E outra, cheia de imaginação, em que um simples eclipse movimenta o pessoal da Vila Abobrinha. Tudo por causa da Vó Dita e seus causos que acabam mexendo com os ânimos do Chico.



quinta-feira, 19 de outubro de 2017

CASCÃO N° 89 - CAPA



Curiosa capa cheia de guarda-chuvas que lembram os outros personagens da MSP. O mais inusitado está nas próximas páginas, onde vemos Cascão andando "de boa" no meio da chuva. Para mim, que acompanho desde as historinhas produzidas nos 70, foi um choque vê-lo caminhar e interagir com outras pessoas em meio ao temporal, pois o Cascão de antigamente desmaiava apenas com a proximidade de um simples pingo d´água. Ele jamais estaria tranquilo no meio dessa chuva. Essas cenas seriam consideradas impossíveis.




quarta-feira, 18 de outubro de 2017

CHICO BENTO N° 95 - CAPA



Esta revista do Chico Bento já  não  é  tão  recente, mas ainda diz respeito aos tempos contemporâneos da MSP na Panini e sua revolução  tecnológica digital na produção  dos quadrinhos. Ela traz o n° 95 na capa, o que me lembra do reinício da numeração, ocorrido após chegar ao número 100, e o preço de R$3,90 (três reais e noventa centavos). A HQ traz a chamada que viralizou na época. Tudo porque, em um vídeo de Internet, se ainda me lembro, dois garotos brincavam e um menino dizia a célebre frase: "taca-le pau!" Essa notoriedade instantânea rendeu exibições  em programas dominicais como o da Eliana, Rodrigo Faro e similares... e acabou virando historinha! 


terça-feira, 17 de outubro de 2017

CASCÃO N° 28 - CAPA


Essa capa do Cascão casa bem com a atualidade onde, cada vez mais, as pessoas utilizam os seus smartphones para criarem vídeos e postarem na Internet. Ela é bem recente, de agosto deste ano, e a trama que abre tem um viés  crítico  e bem real dos "iutubers".



sábado, 14 de outubro de 2017

PREMONIÇÕES



Sandra Bullock interpreta Linda: uma bela mulher que tem um marido igualmente lindo, trabalhador e, juntos, têm duas filhas ainda crianças. Um acidente feio na rodovia tirou a vida dele. A fatalidade ocasionou um colapso nervoso em Linda, que misturou o que era realidade e delírio, deixando-a perdida entre dois mundos paralelos, sem saber qual deles era o real e como nortear sua vida. 

Tudo é muito confuso para nós, expectadores, que temos a impressão de que ela é simplesmente uma pessoa louca que só imagina coisas que não estão realmente acontecendo. Outra hipótese é que ela é lúcida, mas o abalo emocional foi tão catastrófico que a tirou do eixo normal de realidade, fazendo com que sua mente vague entre os tempos presente, passado e futuro dos dias próximos ao fatídico acontecimento, vivenciando-os desordenadamente como cartas embaralhadas de um jogo. 



Algumas situações intrigantes vêm à tona, à medida que ela tenta se situar naquele tempo "milk-shake", e finalmente começamos a perceber uma sincronia de como as coisas foram acontecendo até chegarem às vias de fato. E ficou uma dúvida: Linda voltou no tempo e tentou modificar certos detalhes a fim de impedir a tragédia, ou seus pensamentos simplesmente se reorganizaram, trazendo-lhe a lucidez necessária do que houve, para poder tocar sua vida adiante? Cada expectador que fique com sua própria interpretação.

Direção: Mennan Yappo
Produção: Adam Shankman, Ashok Amritraj, Jon Jashni
Roteiro: Bill Kelly
Estados Unidos - 2007
Estreia no Brasil: 01 de Junho de 2007
Mais informações técnicas aqui


sexta-feira, 13 de outubro de 2017

HOJE É SEXTA-FEIRA 13, PESSOAL!




A VOLTA DA REDE DA CARNE ESTÁ À SUA ESPERA DO CATARSE


O mais popular autor independente de HQs de São Gonçalo (RJ), Eberton Ferreira, está produzindo cada vez mais. Após a obra-prima "CAUSOS #1 - O DEMÔNIO DAS MATAS" ele incansavelmente produziu a sequência "CAUSOS #2 - A BRUXA DA FLORESTA" e o roteiro de "XAMÃ - O ESPÍRITO DA TERRA".

Agora, sua mais nova empreitada já está no Catarse, à espera do apoio de todos os fãs e admiradores adultos de histórias em quadrinhos. https://www.catarse.me/rededacarne


"CAUSOS - EDIÇÃO ESPECIAL: A VOLTA DA REDE DA CARNE" traz ilustrações bem realistas de Aldefran Melo, 112 páginas, capa e contracapa coloridas, miolo em tons de cinza, tamanho grande (17x26cm) e toda em papel couché. As histórias giram em torno de Everest, um açougueiro que comercializa carne humana na maior tranquilidade e sonha com seres estranhos chamados de "bovinumanos". Falando no bom sentido, o conteúdo é repulsivo, nojento, escroto e horripilante, destinado a fãs do gênero e todos aqueles adultos que gostam de inovação, criatividade e terror em forma de quadrinhos.

"CAUSOS - EDIÇÃO ESPECIAL: A VOLTA DA REDE DA CARNE" espera pelo apoio de todos no Catarse. Consulte os vários valores (a partir de dez reais) e o que cada um deles oferecem. Clique na imagem do Everest e deixe que ele te conduza até lá (não tenha medo, prometo que não vai doer).



MAD MAX - ESTRADA DA FÚRIA


Mad Max: Estrada da Fúria : Poster

"MAD MAX - ESTRADA DA FÚRIA" veio como uma promessa de reativar a franquia MAD MAX, cujo primeiro filme é de 1979 e os outros dois vieram ao longo dos anos 80, tornando-se um grande sucesso com Mel Gibson e, no terceiro filme, inserindo a participação de Tina Turner, que deu voz à trilha sonora através do refrão "We don´t need another hero/ We dont need another way home (Não precisamos de um novo herói/ Não precisamos de um caminho novo para casa)"

Este filme, agora, trouxe Tom Hardy no protagonismo. Ele tem um currículo cinematográfico invejável com muitas produções interessantes, dentre elas, "Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge". Ele foi ninguém menos do que o Bane, o cara que quase acabou com o homem-morcego (veja sua filmografia completa aqui). 

Mad Max: Estrada da Fúria : Foto Tom Hardy

Mad Max: Estrada da Fúria : Foto Charlize Theron

Ao seu lado também brilhou a imperatriz Furiosa, praticamente uma cover de Sinéad O´Connor na versão "Extreme Female Domination", interpretada por Charlize Theron, atriz cuja filmografia é igualmente extensa (confira ). 

Nunca vi, em meus quarenta anos, um filme que aglutinasse um número tão grande de cenas de ação e violência de extremo impacto. Você tem a impressão de que está assistindo a algum portal do inferno, pois tudo se resume a seres horrorosos se pegando, maldade, saqueamento, psicose ao extremo, lutas e mais lutas. As mudanças bruscas de ângulo e o ritmo frenético cansam a mente e causam agonia. Quando finalmente o instante mais tranquilo surge, você até suspira: "Ufa! Cansei!", mas não por muito tempo, pois a feiura dos personagens, os conflitos e a disputa de poder são constantes. 

Direção: George Miller
Produção: George Miller, Doug Mitchell, Iain Smith
Roteiro: George Miller, Nick Lathouris, Brendan McCarthy
Austrália - Estados Unidos - 2015
Estreia no Brasil: 14 de Maio de 2015
Mais informações técnicas aqui


quinta-feira, 12 de outubro de 2017

HOMEM-ARANHA - DE VOLTA AO LAR


Homem-Aranha: De Volta ao Lar - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 6

"HOMEM-ARANHA - DE VOLTA AO LAR" estreou em Junho deste ano por aqui e eu só consegui vê-lo certo tempo após, aproveitando um cinema cultural que costuma trazer filmes icônicos como este a preços praticamente de graça. Vemos Peter ainda amadurecendo a ideia de ser um super-herói, apesar de já ter ajudado os Vingadores em uma missão. Aliás, essa trama trabalha exatamente esse pós-evento em que Peter se sente "o cara", mas é levado para casa, por Tony Stark, que joga uma conversa nele, afirmando que vai monitorar suas ações heroicas à distância e designá-lo para uma próxima missão em breve. Na verdade, aquilo foi um papo-furado, mas Peter, deslumbrado pelos acontecimentos, acreditou. 

Acompanhamos o entusiasmo de um jovem inocente, cheio de planos e uma mente sonhadora ao mesmo tempo em que tem que cumprir sua dura rotina de amigão da vizinhança com todos os percalços e alguns desajustes típicos da sua juventude, falta de foco e inexperiência. A história toda se resume em Peter mostrar a Tony que está preparado para encarar mais uma missão frente aos Vingadores. Apesar de dar dó das expectativas de Peter, a produção se desenrola de forma leve, sem carregar muito nos dramas e nem rechear o expectador com momentos de impacto profundo. As cenas mais conflitantes que vi foram as do elevador. 

Esse Homem-Aranha você pode ver em casa, numa sessão da tarde, sem medo de ir ao banheiro, tomar água ou atender ao pentelho que chama no portão. Está na cara que foi produzido apenas como gancho de uma sequência (provavelmente dos Vingadores) que está por vir. Pode não parecer, mas eu gostei do filme. Admito que ele é aquém dos anteriores, mas cumpre a função de entreter e transmitir sua mensagem. Peter está ainda mais crível e próximo da realidade de cada um de nós. 

Direção: Jon Watts
Produção: Stan Lee, Amy Pascal, Kevin Feige
Roteiro: Stan Lee, Jon Watts, Steve Ditko
Estados Unidos - 2017. Estreia no Brasil em 06 de Julho de 2017
Mais informações técnicas aqui


quarta-feira, 11 de outubro de 2017

KNOCK KNOCK - BATA ANTES DE ENTRAR



Um homem está sozinho em seu lar. Chove forte e alguém bate à porta. Ele atende e são duas jovens mulheres ensopadas e desesperadas que estavam indo a uma festa, mas erraram o endereço e não sabiam o que fazer no meio daquela tempestade. Se fosse com você? Você daria abrigo àquelas duas estranhas? Evan, o dono casa, até resistiu um pouco, mas elas souberam jogar sua beleza e carisma a fim de convencê-lo a deixá-las entrar. A partir daí, as pobres damas ensopadas (estou sendo irônico, a loura usava cabelo "batido" e mascava chiclete; tão anos 80!) começam a desfrutar da intimidade da casa toda, aplicando o golpe de se interessarem por casa fato que iam descobrindo sobre ele. Elas viram discos, então começaram a dizer que amavam aqueles lá. Ele conta que foi DJ no passado. Elas aproveitam a história e lhe dão o maior moral, enchendo-o de elogios, fazendo-o sentir-se "o cara".
Ficamos um tempão acompanhando várias situações assim, onde ele vai caindo como um patinho em cada mentira que elas contavam. O filme é previsível nesse ponto porque, senão, não há meios de contar a história. O que nos resta é esperar pelo que vem depois. E o que vem depois não é nada extraordinário. Após o tão previsível sexo com as duas, a trama finalmente se desenvolve. As galinhas Maggi e Knnorr enfim mostram-se na real. E Evan, o tourão daquele cercadinho, é dominado por completo.

Só acho que a trama decorreu muito mal. O que veio depois do sexo deveria ter causado impacto e ter alguns acontecimentos mais críveis, pois, na minha opinião, quando duas pessoas te dominam dentro de sua própria casa, elas vão querer apanhar coisas de valor que você tem, vão te saquear, pegar objetos que podem carregar. Elas não vão ficar perdendo tempo em fazer você participar de um jogo tonto de perguntas e respostas. O cara é brutalmente ferido, em certo momento, mas reaparece na cena seguinte se expressando sem nenhuma dor. O machucado é sinalizado com uma mancha quase imperceptível em sua camiseta. Como assim? O ferimento foi profundo, mas ele nem sangrou direito? Uma das moças leva uma forte pancada na cabeça, que a derruba da cama e a atira longe, mas ela logo se levanta super de boa. E aquele buraco imenso que apareceu no jardim? Nossa! Aquilo me arrancou uma gargalhada gostosa, pois como e quando aquelas duas franguinhas tiveram tanta disposição para cavarem aquela cova enorme, em poucas horas, se elas ficaram o tempo todo com ele? Isso não foi mostrado, sequer mencionado ou dado a entender. E a casa dele não tinha muro. O cara é enterrado vivo no jardim, em plena luz do dia, numa bela manhã de céu azul, e não passa uma viva alma na rua para ver o que se passa? É estranho ver essa sucessão de fatos e ainda tentar me convencer de que foi um bom filme... principalmente porque já assisti a produções bem mais convincentes (O ALBERGUE, OS ESTRANHOS, DOCE VINGANÇA etc).

"KNOCK KNOCK - BATA ANTES DE ENTRAR" é um filme que nos convida a pensar desde a simples questão de ajudar um desconhecido, a bondade e a maldade para com o próximo, até assuntos mais profundos como infidelidade e poder de persuasão. Fica aquela reflexão no ar: será que Evan foi inocente ou deixou-se influenciar por alguma suposta vantagem?

Direção: Eli Roth
Roteiro:  Eli Roth, Nicolás López, Guilhermo Amoedo
Chile e Estados Unidos - 2015.
Estreia no Brasil: 08 de Outubro de 2015
Mais informações técnicas aqui


domingo, 8 de outubro de 2017

LIVROS DA SELO JOVEM AGORA SÃO VENDIDOS TAMBÉM NA AMAZON, LOJAS AMERICANAS, WALMART E SUBMARINO


A Selo Jovem é uma editora que rapidamente veio se destacando pelo seu trabalho sério e dedicado na produção de livros, tornando-se uma porta aberta aos contadores de histórias que procuram pela oportunidade de publicarem suas obras. Na bienal do Rio deste ano, os responsáveis pela editora ficaram impressionados com a grande aceitação dos leitores que adquiriram vários de seus títulos. Agora, a Selo Jovem está colocando seu catálogo disponível também nas grandes redes.

Site oficial - Selo Jovem  Selo Talentos

Páginas no Facebook - Selo Jovem  Selo Talentos

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

A imagem pode conter: texto


sábado, 7 de outubro de 2017

A MALDIÇÃO DO ESPELHO



"A MALDIÇÃO DO ESPELHO" é um desses bons livros que, por algum motivo, dentre vários outros que li, marcaram minha mente. Talvez por causa da maneira mais direta e sem muita enrolação pela qual a história foi se desenvolvendo ou a forma com que os personagens se apresentaram e interagiram uns com os outros. 

A personagem foco é uma celebridade, uma atriz poderosa que resolve dar uma festa em sua nova mansão. Naquele cenário deslumbrante de luxo e ostentação circula todo tipo de gente, desde os serviçais que nem sempre estão contentes com seus ofícios, os caros amigos e até as inimigas que vão lá levar um beijinho no ombro pessoalmente e acabam camuflando um pouco de seu recalque. Um crime acaba acontecendo. Uma pessoa more envenenada e a atriz fica chocada, pois nada lhe tira da cabeça que aquele "drink" do inferno fora destinado para ela. Miss Marple é quem começa a investigar os fatos e descobre que a tal "mulher maravilha" tem todos os motivos do mundo para desconfiar que alguém queria matá-la, vez que ela era tida como um cão chupando manga (em termos de personalidade). Os mais bonzinhos e próximos a consideravam uma pessoa imatura e mimada. Mas, isso não quer dizer que a própria celebridade esteja isenta de se tornar mais um suspeito. Muito pelo contrário. Talvez, toda aquela neurose (por quase ter sido ela a vítima da ocasião) pode ser mera estratégia para tirar-lhe os holofotes. 

Não me lembro direito dos detalhes, mas ainda tenho aquela sensação de "como não percebi antes" quando tudo é desvendado. Alguns detalhes óbvios foram colocados na minha cara durante a leitura, mas eu não dei conta de que algo tão insignificante fosse a chave para chegar a quem cometera o crime. Eu me senti meio bobo mesmo. 

A MALDIÇÃO DO ESPELHO
Agatha Christie - 200 páginas
Editora Record
Várias editoras também publicaram



PROFECIA

Fazia tempo que eu não lia um romance no Wattpad. Então vi o título "PROFECIA", de Victoria Gomes, e resolvi experimentá-lo. Eu só pensei: se ele livro não me pegar nas primeiras sete páginas, largo mão. Para minha surpresa, ontem mesmo, na madrugada, abocanhei o prólogo e mais doze capítulos.

Victória é muito talentosa, pois soube trabalhar a personalidade dos personagens ao mesmo tempo em que apresentava tudo o que ia acontecendo à trama. Achei incrível como ela soube dosar as características deste ou daquele nas horas certas, sem excessos, deixando a trama fluir "redonda". "PROFECIA" é uma fantasia que se passa no Reino do Norte que, se entendi bem, é o mais importante dos outros três: Reino de Dentro, Reino de Fora e Reino do Sul. O Reino do Sul, não sei porque, me lembrou nosso país. Talvez por causa das críticas acerca de investimentos designados para certos fins essenciais à toda a população e que não eram aplicados corretamente, senti o tal do "jeitinho exxxpertinho" imperar na maneira como as coisas aconteciam naquele reino. E olha que ela nem precisou explicar muita coisa para eu ter essa minha sensação de familiaridade com nosso país. As irmãs Kya e Layla, ao que percebi, são os pilares dessa trama. Filhas do rei, que morrera sob circunstâncias inóspitas, elas são ludibriadas por quem antes confiavam. Kya, herdeira do trono, é vítima de um grande golpe justo daquele a quem sempre fora o braço direito de seu pai. (é golpe!!! ahahahaha). Layla acaba assumindo o reino, mas também é, de certa maneira, enrolada, tapeada e manipulada. As duas irmãs, apesar de serem gêmeas, possuem características distintas. Kya era imponente, determinada e focada. Tinha pulso firme e sabia ordenar. A delicadeza, a sutileza e a meiguice ficaram para Layla, que era vista como a irmã boazinha (Ai, meu Deus! Que lindinha, que gracinha e que bobinha que ela é! rsrs...) Voltando ao foco, agora preciso esperar por mais capítulos da autora. Confesso que nunca me interessei muito pelo gênero Fantasia, mas, ao ler uma outra obra, percebi que eu devia conhecer mais esse tipo de ficção, pois achei muito criativo e interessante. Tem Wattpad? Mergulhe você também nessa aventura, através do link: https://www.wattpad.com/story/118018174-profecia


O FADA DO DENTE



"O FADA DO DENTE" é uma produção de 2010 que me traz boas lembranças de um sessão da tarde que tivemos em família e a saudade gostosa de uma pessoa que hoje torço para estar muito feliz. Desde o início já sabemos que o filme se trata se uma comédia daquelas bem leve e sem muito o que esperar.

A trama gira em torno de um homem profissional do esporte e muito conhecido que precisa agradar duas crianças malas para poder molhar seu biscoito, de vez em quando, na mãe gostosa delas. Ele mesmo não faz nada de errado para ela, mas, ao mandar a real para a menininha que acreditava em fada do dente, a mulher simplesmente o manda embora e cogita até terminar a relação.

O cara é aquele tipo que gosta de se exibir e acha que todo mundo nasceu para massagear-lhe o ego. Só que ele gostava de verdade daquela mulher e, por isso, ficou tão abalado de ter sido dispensado que, ao dormir, teve um sonho de que uma espécie de Conselho das Fadas o transformara em uma delas com o propósito de fazê-lo crer em sua existência, pois os humanos em geral andavam cada vez mais céticos.

"O FADA DO DENTE" fala de determinação, de acreditar em seus sonhos e correr atrás de realizá-los, de percalços e de como tudo pode ocorrer positivamente, embora, algumas vezes, esses objetivos são realizados de maneira um pouco diferente do qual imaginamos, mas é válido e pode até nos ensinar muito mais do que aquele caminho que traçamos e vai acontecendo exatamente de acordo como planejado.

Normalmente, torço um pouco o nariz para esse gênero. Há muita coisa boa como "UMA BABÁ QUASE PERFEITA", "COMO SE FOSSE A PRIMEIRA VEZ" e "O PAI DA NOIVA". Mas também existe um farto leque de produções bastante sofríveis e descartáveis. "O FADA DO DENTE", não vou negar, não é para minha etária (40 anos), pois já assisti a muitos e muitos filmes com essa mesma premissa, onde as lições são colocadas de forma praticamente igual. Ele é indicado para aquele pessoal que nem é tão criança e ainda não é adulto, que ainda estuda seu ensino básico e precisa traçar metas para ser um cidadão com um futuro de luz. Esse público se renova rápido, por isso é tão comum encontrarmos filmes novos assim.

Direção: Michael Lembeck
Roteiro: Lowell Ganz, Jim Paddock
Estados Unidos - 2010. Estreia no Brasil: 22 de Janeiro de 2010
Mais informações técnicas aqui


quinta-feira, 5 de outubro de 2017

O CADÁVER DE ANNA FRITZ



Nunca ouvi falar desse filme, mas, zapeando pelos canais da TV, vi na programação que ele estava para começar, então, resolvemos dar uma chance ao desconhecido. A sinopse não dizia muita coisa e, também, quando diz, quase nunca é realmente aquilo que a gente vê. Assim são os guias de TV, que mais desinformam do que qualquer outra coisa.

O que posso dizer? Esse filme nos surpreendeu positivamente. É uma puta obra que te pega pelo sentimento de indignação. Sim. Isso mesmo. Impossível você não sentir um pingo de indignação ao imaginar um parente seu morto no necrotério e ver que há um funcionário bem mal intencionado que, aproveitando-se da situação, resolve violentar sexualmente esse teu parente. Afinal, sua família nunca saberá mesmo! O corpo estará impecável no velório para ninguém suspeitar de nada. Mais do que repugnante, chega a ser doentio o entusiasmo, a euforia e o incentivo a essa prática. Agora, imagine não apenas um funcionário fazendo isso ao corpo de seu parente que está ali, diante dele, mas os dois amigos dele também esperam sua vez.

No caso, a falecida era Anna Fritz: uma atriz muito famosa. Não obstante todo esse cenário pavoroso, ainda acontecem mais coisas que vão mostrando um pouco mais da personalidade de cada um daqueles três amigos. 

Uma agonia sem fim tomou conta da gente. Não conseguimos desgrudar os olhos da TV nem por um segundo. Ainda bem que o filme foi curto, cerca de 75 minutos, aproximadamente, e com apenas quatro atores o tempo todo. Um e outro personagem aparece, mas muito rapidamente.

Direção: Héctor Hernández Vicens
Roteiro: Héctor Hernandez Vicens e Isaac P. Creus
Editor: Alberto Bernad
Cinegrafista: Ricard Canyellas
Espanha - 2015. Estreia no Brasil: 24 de Maio de 2015
Mais informações técnicas no site oficial



terça-feira, 3 de outubro de 2017

Mensais Disney de Outubro

As principais mensais da Disney já estão sendo divulgadas pelas redes sociais da Abril Jovem.

Minnie n° 78 é o mesmo caso que falei no mês anterior. as aventuras até são legais, mas as capas vêm me desagradado bastante. Eu sei que não se deve julgar uma revista pela capa, mas a questão é que, em meio a tanta opção, a escolha acaba sendo àquela que mais atrai a atenção.

Pateta n° 78 já volta com aquele seu clássico sorrisão, ao contrário do mês passado, cuja capa me intrigou um pouco, esta volta ao padrão rotineiro. Há uma aventura com o Indiana Pateta, como destaque desta edição. Normalmente, as histórias com o Indiana são bem legais. Aliás, normalmente, a revista do Pateta é bem bacana.


Tio Patinhas n° 628 traz uma trama na Oktober Fest original e mais uma aventura de Fantonius. 

Mickey n° 902 já indica que tem uma boa obra envolvendo Mickey e Mancha Negra. Gosto dessas histórias. Espero que esta seja mais uma que garanta boa diversão.


Zé Carioca n° 2437 traz um apanhado de HQs legais do Papagaio. São republicações. O destaque para esta edição é "O SEGREDO DOS ÍNDIOS BORRACHUDOS", uma trama de 1968 que, segundo a editora, nunca foi republicada antes. Folheiem a revista antes de ir comprando, porque o zé Carioca agora diz que traz paleta de cores original da época, o que é até legal, interessante e histórico, mas a verdade é que muitos exemplares têm chegado com vários defeitos nessas colorizações. De um exemplar para outro, muda bastante a qualidade de impressão. Então vejam se está a contento, para depois não ficarem reclamando na Internet. E outra coisa: a capa está excelente, mas muito me incomoda esse trato luminoso que parece estar se tornando padrão. Parece até que a imagem está embaçando. As capas da Disney davam um banho na turma concorrente, justamente, por saber dosar bem o equilíbrio de cores e luminosidade. De uns tempos pra cá, isso vem mudando um pouco. As capas continuam bonitas, mas algumas poderiam ter um cuidado melhor.

Pato Donald n° 2472 tem o anúncio informando uma aventura com os três sobrinhos, Huguinho, Zezinho e Luisinho. Pato Donald é meu título preferido. Espero que esta edição, mais uma vez, traga muita diversão.



Da série "a volta dos que não foram", o Disney Especial vem sendo divulgado com uma prévia do que pode ser o título "OS SOBRINHOS" ou "AS CRIANÇAS". Como a capa ainda não está pronta, não tenho como colocar aqui. Enquanto esta edição não ganha as bancas, pois ela costuma chegar por volta do dia 20 de cada mês, há "OS FANZENDEIROS" ainda facilmente encontrado nas bancas demais lugares do ramo.


Almanaque Disney n° 377 traz uma capa curiosa com Mickey e Pateta encontrando-se consigo mesmos de época diferente. O Almanaque Disney tem sido um título bem interessante que voltou em Junho deste ano, continuando sua numeração, e tem cumprido com o que se propõe: trazer HQs inéditas na maioria das páginas e também um certo "mix" de personagens que andavam sumidos. Uma bela iniciativa que merece ser parabenizada. Enquanto esta edição não chega, você pode adquirir a anterior, que traz uma aventura inédita com a Pata Lee. 

Lembrando que este não é um lugar específico para "check list", sei que já informei isso várias vezes, mas é sempre bom ressaltar. Quando, às vezes, eu coloco os lançamentos é porque gosto de divulgar. A Abril Jovem, em especial na pessoa do Sr. Paulo Maffia, tem oferecido um grande incentivo a este blogue, à minha pessoa. E eu sou grato por essas revistas estarem ainda introduzindo aventuras tão boas, material de qualidade a um padrão bem acessível. Os formatinhos são ótimos porque carregamos em qualquer lugar e guardamos onde bem desejarmos.

Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.



segunda-feira, 2 de outubro de 2017

ALMANAQUE DO TIO PATINHAS N° 21 - CAPA


Hoje quero compartilhar a capa desta revista, o Almanaque do Tio Patinhas n° 21, publicada pela Abril Jovem em Agosto de 2014, ela contém 84 páginas e o preço de R$ 5,50 (cinco reais e cinquenta centavos). Eu a adquiri em um sebo, na época, por apenas um real. Somente nesta semana que passou foi que eu a peguei, a folheei e li alguma coisa.


A revista tem apenas cinco HQs. Pode parecer pouco para a média do título, mas as aventuras são ótimas, principalmente "A MANSÃO ENFEITIÇADA". Futuramente pretendo postar uma resenha dessa aventura aqui, mas você pode saber mais sobre esta edição no INDUCKS.

Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.