terça-feira, 27 de dezembro de 2016

PATETA AJUDANTE DE PAPAI NOEL

O Natal passou. Espero que todos os leitores daqui tenham comemorado com paz, tranquilidade, segurança e muita saúde e prosperidade. 

Uma postagem temática ficou por postar, porém, as circunstâncias levaram a fazê-la somente agora. Eu poderia desistir, já que a data acabou de passar, mas a real é que normalmente não curto mesmo ficar esperando a tais comemorações chegarem para só então ficar postando algo a respeito. Gosto mais do aleatório. Sendo assim, não vejo problema em compartilhar agora.


AJUDANTE DE PAPAI NOEL (roteiro de GIORGIO SALATI e desenhos de ROBERTO VIAN) é uma aventura do Pateta, personagem que sempre me diverte com sua presença. Vemos ele acompanhando sua tia Giselda às compras natalinas. Eles marcam a ceia em sua casa e, ao se despedirem, ela o lembra de que deseja ver a casa toda decorada ao chegar lá, pronta para receber toda a família. 

Pateta, cansado, pega no sono quando resolve escrever a cartinha para o Papai Noel, acordando instantes depois, com um susto ao ver o bom velhinho ali, à sua frente. Ele fica preocupado, pois pensa que já estava em cima da hora e nem tinha arrumado nada ainda na casa, bem como não tinha escrito a cartinha. Mas o Noel esclarece que ainda tinham tempo, e que ele estava ali, àquela hora, porque precisava muito da ajuda dele o quanto antes.


Pateta tinha um parente que trabalhava na produção dos presentes de Natal. Acontece que ele era dono de ideias que estavam muito à frente dos tempos atuais. Ele citou o exemplo da invenção do videogame quando nem havia energia elétrica direito. Também um aparelho celular quando, na verdade, àquela época a população mal conhecia o telégrafo. Foi muito engraçado ver isso representado através de um caubói que sequer sabia mexer no aparelho o qual, por si só, nem tinha como obter linha. Como ele estava abobado enquanto cavalgava. Eh! Eh! Eh!



Inevitavelmente, o tal parente inventor acabou rompendo contato com Noel, mas, passadas tantas eras, seria muito importante tê-lo de volta à produção, vez que os tempos atuais estavam cheios de pedidos de produtos os quais ele sabiam muito bem como fazer em larga escala e rapidamente. Ele julgava que Pateta, sendo da família, soubesse do paradeiro dele. Era evidente que ele não sabia, mas o enredo começa a evoluir de forma interessante quando os dois saem à procura e, com isso, vão aparecendo outros personagens familiares, como o Indiana Pateta e o sobrinho gênio Gilberto. 

Interessante dizer que os parentes do Pateta são todos a cara dele mesmo, até a tia Giselda é assim. E o ajudante do Papai Noel a quem tanto procuravam acaba aparecendo e também é a cara do Pateta. Por um momento, me lembrei daqueles desenhos que passavam na TV onde todo mundo era a cara do Pateta. Eu gostava demais e foi bem essa característica que colocaram na HQ. No final, a família toda comemora à mesa - além da tia Giselda, do primo Indiana Pateta e do sobrinho Gilberto, há várias facetas do Pateta ali, lembrando até a coleção "PATETA FAZ HISTÓRIA".


Essa HQ está na revista do Pateta n° 68, deste mês, que tem toda a atenção desviada para "A ESPADA GELADINHA" (paródia de A ESPADA DE GELO, edição de luxo Disney lançada na CCXP pela Abril Jovem). Em suma, temos duas tramas bem interessantes e divertidas que tornaram especial esta edição.



Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Peço educação e gentileza na troca de ideias. Obrigado!