sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Falando de PERDIDOS NOS ANDES - Edição de Luxo Disney


Olá, pessoal! Fiz um vídeo mostrando um pouco o interior da belíssima edição de luxo Disney "PERDIDOS NOS ANDES". Um acervo imperdível com as HQs icônicas de CARL BARKS.

Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.



terça-feira, 27 de dezembro de 2016

PATETA AJUDANTE DE PAPAI NOEL

O Natal passou. Espero que todos os leitores daqui tenham comemorado com paz, tranquilidade, segurança e muita saúde e prosperidade. 

Uma postagem temática ficou por postar, porém, as circunstâncias levaram a fazê-la somente agora. Eu poderia desistir, já que a data acabou de passar, mas a real é que normalmente não curto mesmo ficar esperando a tais comemorações chegarem para só então ficar postando algo a respeito. Gosto mais do aleatório. Sendo assim, não vejo problema em compartilhar agora.


AJUDANTE DE PAPAI NOEL (roteiro de GIORGIO SALATI e desenhos de ROBERTO VIAN) é uma aventura do Pateta, personagem que sempre me diverte com sua presença. Vemos ele acompanhando sua tia Giselda às compras natalinas. Eles marcam a ceia em sua casa e, ao se despedirem, ela o lembra de que deseja ver a casa toda decorada ao chegar lá, pronta para receber toda a família. 

Pateta, cansado, pega no sono quando resolve escrever a cartinha para o Papai Noel, acordando instantes depois, com um susto ao ver o bom velhinho ali, à sua frente. Ele fica preocupado, pois pensa que já estava em cima da hora e nem tinha arrumado nada ainda na casa, bem como não tinha escrito a cartinha. Mas o Noel esclarece que ainda tinham tempo, e que ele estava ali, àquela hora, porque precisava muito da ajuda dele o quanto antes.


Pateta tinha um parente que trabalhava na produção dos presentes de Natal. Acontece que ele era dono de ideias que estavam muito à frente dos tempos atuais. Ele citou o exemplo da invenção do videogame quando nem havia energia elétrica direito. Também um aparelho celular quando, na verdade, àquela época a população mal conhecia o telégrafo. Foi muito engraçado ver isso representado através de um caubói que sequer sabia mexer no aparelho o qual, por si só, nem tinha como obter linha. Como ele estava abobado enquanto cavalgava. Eh! Eh! Eh!



Inevitavelmente, o tal parente inventor acabou rompendo contato com Noel, mas, passadas tantas eras, seria muito importante tê-lo de volta à produção, vez que os tempos atuais estavam cheios de pedidos de produtos os quais ele sabiam muito bem como fazer em larga escala e rapidamente. Ele julgava que Pateta, sendo da família, soubesse do paradeiro dele. Era evidente que ele não sabia, mas o enredo começa a evoluir de forma interessante quando os dois saem à procura e, com isso, vão aparecendo outros personagens familiares, como o Indiana Pateta e o sobrinho gênio Gilberto. 

Interessante dizer que os parentes do Pateta são todos a cara dele mesmo, até a tia Giselda é assim. E o ajudante do Papai Noel a quem tanto procuravam acaba aparecendo e também é a cara do Pateta. Por um momento, me lembrei daqueles desenhos que passavam na TV onde todo mundo era a cara do Pateta. Eu gostava demais e foi bem essa característica que colocaram na HQ. No final, a família toda comemora à mesa - além da tia Giselda, do primo Indiana Pateta e do sobrinho Gilberto, há várias facetas do Pateta ali, lembrando até a coleção "PATETA FAZ HISTÓRIA".


Essa HQ está na revista do Pateta n° 68, deste mês, que tem toda a atenção desviada para "A ESPADA GELADINHA" (paródia de A ESPADA DE GELO, edição de luxo Disney lançada na CCXP pela Abril Jovem). Em suma, temos duas tramas bem interessantes e divertidas que tornaram especial esta edição.



Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.


segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Sobre o blogue, quadrinhos Disney, turma da Mônica e as pessoas

Faz tempo que não escrevo um artigo sobre meus pensamentos. A razão é o foco nos quadrinhos que tem feito bem ao blogue e também à minha relação com as pessoas da Internet, falando em termos gerais, pois a gente não conhece realmente o ser humano e, sim, o que ele decide mostrar a você.

Esta casa já teve assunto mais diverso, aliás, o nome SOCIALIZANDO HQ tinha sido retirado justamente para dar margem à diversidade de temas. Entretanto, esse detalhe pouco importou, pois o conteúdo falou mais alto.

As postagens recentes sobre os 'Quadrinhos Disney' fazem minhas estatísticas dispararem. Isso é bom, embora não haja comentários por aqui, mas o que importa é que o acesso tem acontecido, seja lá qual for a finalidade. A Turma da Mônica, por incrível que pareça, me faz ter prazer em encontrar sempre algum comentário de leitor por aqui. Isso é muito bom! Não tenho postado muito sobre esse universo por mero acaso. Cada postagem em torno da MSP me traz satisfação, falando em termos pessoais e estatísticos também.

Os feedbacks que ando tendo por meio das postagens da Disney não se veem neste local, mas senti na vida real ao longo deste ano. Senti o carinho e o reconhecimento de algumas pessoas, até mesmo em uma dose além do que merecia, afinal, sou um reles leitor. O retorno da 'TM', por incrível que pareça, fica apenas aqui mesmo, seja em números de acessos ou nos comentários dos amigos. Na vida real, percebo um certo receio alheio. Chega a ser desestimulante seguir. Sim, desestimulante, porque a empresa em si enfatiza que o nicho deles são as criancinhas que estão desenvolvendo leitura. Além disso, dizer que gosto de turma da Mônica faz a sociedade nerd te olhar como um retardado, doente mental, alguém que está jogando dinheiro suado pela janela e que merece uns croques para ver se as ideias voltam para o lugar.

Mas para quê importa-se com os outros? A questão não é bem essa. O buraco é mais embaixo. Há muita variedade de leitura, atualmente, e empregar dinheiro em revistinhas que andam aquém do que se sabe que poderiam apresentar é realmente um mau negócio.. Junta o conteúdo xoxo e a falta de carisma dos demais leitores de HQs sobre tal universo produzido recentemente, vem uma total falta de vontade de adquirir qualquer produto novo, sejam em Graphic Novels ou edições diferenciadas de alguma coisa... A ideia não é ler algo que agrade aos outros, mas, sim, OPTAR por títulos que me fazem ter PRAZER.

No ano vindouro tentarei postar também algo sobre super-heróis e universos como VERTIGO, por exemplo. Não que eu seja um leitor bom, mas tenho algumas edições, aqui, as quais gostaria de compartilhar minhas impressões de leigo. Acho que seria divertido. Enquanto a tendência é os caras mostrarem-se fodões no assunto, eu não me importo em fazer o caminho contrário. Ruim seria ter que fingir, representar ser alguém que não sou, só para agradar à comunidade apropriada. A comunidade que se foda, eles não pagam minhas contas! Mesmo se pagassem, não teriam esse direito de me obrigarem a atender suas expectativas. Nossos pais, que já aguentaram tanta coisa nossa, não têm esse direito. Nossos cônjuges, que também aguentam cada coisa chata nossa, também não têm. Então, por que, cargas d´água me importaria em satisfazer ego de quem sequer sei onde mora? Se liga! Sou bom - muito bom - mas não sou otário!

E tocando nesse ponto, desejei meus sinceros votos de boas festas a algumas pessoas cujo contato, por algum motivo, teve seu rompimento. Por que eu fiz? Não teno vergonha em admitir que sinto saudades. Não é aquela coisa de que necessito estar ligado ao outro, pois tenho vários contatos, a ponto de não ter tempo de ficar conversando com eles nas redes sociais, pois a vida chama e não quer saber o que você anda fazendo. Mas, de vez em quando, vem a lembrança dessas pessoas e, curiosamente, meu carinho acaba prevalecendo.

Alguns desses contatos me responderam e outros não. Eu fico feliz com quem correspondeu a esse sentimento benevolente. O mundo já anda estranho demais para ficarmos nutrindo neuroses bobas por conta do ego. O ego tem tanta coisa boa para se saciar. Não precisa ficar criando raízes em um passado infértil. Aliás, o ego precisa é não esquecer dos fatos e, sim, procurar crescer, se transformar com tais acontecimentos.

Aos que não corresponderam, informo que não tenho mágoa, tristeza, não venho sentido nada parecido. São pessoas com muitas qualidades também e a vida é assim mesmo. Nem tudo é só perdão e nem tudo é só acerto. Mas agradeço ao universo, a Deus, pelos amigos que entendem as várias maneiras de se pedir desculpas, de se dizer "EU FALHEI CONTIGO, MAS TE AMO COMO IRMÃO DE FÉ. NÃO TE QUERO MAL. TORÇO POR VOCÊ."

Abraços, pessoal! Vamos caminhando com leveza. Tudo de bom.


Fabiano Caldeira.


sábado, 17 de dezembro de 2016

NATAL DE OURO DISNEY N° 7


NATAL DE OURO DISNEY n° 7 está nas bancas desde o finalzinho de Novembro. A franquia existe desde 1979, foi interrompida por alguns anos e retomada através de sugestões dos leitores que relatavam como era gostoso passar essa época de Natal com esse título. 


Relação das HQs deste ano:

PATO DO TROVÃO
O NATAL ANTECIPADO
UM NATAL FATAL
NATAL NO MORRO
A CATAPULTA
O NATAL QUE NÃO EXISTIA
EM BUSCA DO RÉVEILLON PERDIDO
A ÁRVORE DE NATAL DO PLUTO
O AJUDANTE DO PAPAI NOEL
UMA CRÔNICA DE NEVE E FOGO
NATAL PRA NINGUÉM BOTAR DEFEITO
HAJA PAPAI NOEL!
QUESTÃO DE GOSTO
CONTAGEM REGRESSIVA CULINÁRIA
O NATAL DO SAPO
UM OUTRO NATAL NAS MONTANHAS

Destaques:

HAJA PAPAI NOEL! - Eu sabia que conhecia essa HQ. Pesquisando, descobri que tenho ela na revista PATO DONALD n° 2389. É uma boa trama com desenhos do Mestre Disney Giorgio Cavazzano e roteiro de Rune Meikle

O AJUDANTE DO PAPAI NOEL e UM NOVO NATAL NAS MONTANHAS eu também tenho. Ambos foram publicadas na revista do TIO PATINHAS n° 521. Aliás, esta é uma edição que guardo com muito carinho. Marco Rota, um de meus Mestres Disney preferido, foi quem produziu o roteiro e os desenhos da história do ajudante (trama de Lars Jensen). Já o grande Giorgio Cavazzano (desenhos), o Tito Faraci (roteiro) e o Sandro Zemolin (arte-final) foram os responsáveis pelo "Outro Natal".

UM NATAL FATAL é uma boa aventura toda elaborada por Don Rosa.

NATAL NO MORRO - O Brasil está muito bem representado com algumas histórias, em especial esta, produzida por Júlio de Andrade e o grande Carlos Edgard Herrero.

Inéditas:

PATO DO TROVÃO, com Donald, seus sobrinhos e Prof. Pardal (roteiro de Knut Nærum, Tormod Løkling e desenhos de Arild Midthun)

A CATAPULTA, com os Irmãos Metralha (roteiro de Carlo Panaro e  desenhos de Michela Frare)

EM BUSCA DO REVEILLON PERDIDO, com Donald e Margarida (roteiro de Rudy Salvagnini e desenhos de Alessandro Barbucci)

UMA CRÔNICA DE NEVE E FOGO, com Mickey, Pateta e João Bafo-de-Onça (roteiro de Giulio Chierchini e desenhos de Moreno Chistè)


Está aí mais uma boa revista que promete diversão aos amantes dos 'Quadrinhos Disney' nesta época tão especial.


Fonte de Pesquisa: INDUCKS


Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.


quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

DONALD e o MISTÉRIO DO MINÉRIO


MISTÉRIO DO MINÉRIO abre a revista do PATO DONALD n° 2462, publicada agora, neste mês, reforçando a tradição da Abril Jovem em presentear seus leitores que adoram as belas aventuras natalinas dos "Quadrinhos Disney". 


A capa teve a chamada de "MISTÉRIO NA LAPÔNIA" apenas para situar as pessoas da ambientação mais popular onde se passa toda a trama, uma vez que o nome Lapônia não chega a ganhar nenhum destaque ao longo de toda a história.

O Natal é sempre sinônimo de lucros, faturamento ao Sr. Patinhas. Engana-se quem pensa que nessa época tudo sejam flores ao velho guerreiro. Sempre imprevistos acontecem os quais colocam em risco os seus negócios e, para evitar o colapso, é preciso tomar medidas imediatas.

Argumento: TORMOD LOKLING - Roteiro: KNUT NAERUM - Desenho: ARILD MIDTHUN

Donald e sobrinhos embarcam para Vila do Sol

Desta vez, o Unobtênio, mineral essencial à produção dos tão esmerados Tablets Patinhas àquele Natal, estava desaparecendo misteriosamente, colocando em risco todo o arsenal planejado para o Natal. Donald e seus sobrinhos - Huguinho, Zezinho e Luisinho - embarcam para Vila do Sol, em mais uma missão de investigação rumo à raiz da questão.

O minério Unobtênio desaparece mesmo com os patos conhecendo o local

O que eu achei

A boa e velha característica do pato trapalhão, aliada à movimentação de seus sobrinhos sempre astutos, sempre garante que vislumbremos instantes de ação, emoção e intrigas no decorrer de toda a evolução que vai se desdobrando aos nossos olhos, página a página, fazendo-nos pensar em como seria bom uma adaptação de tudo aquilo para a televisão. Com certeza, seria uma excelente animação!

Huguinho, Zezinho e Luisinho interagindo com a tropa de Escoteiros Mirins de Vila do Sol e a ideia de colocarem dois Papais Noeis foram os atributos que considero a verdadeira cereja de todo esse delicioso bolo.

Escoteiros de Mirins de Patópolis se unem aos Escoteiros Mirins de Vila do Sol

Dois Papais Noeis confundem os nossos "Ducktales"

Os originais foram produzidos em 2014, na Dinamarca, e foram publicados também na Alemanha, China, Finlândia, França, Noruega, Holanda e Suécia, chegando agora ao Brasil. E eu só tenho a agradecer à equipe da Editora Abril por colocar HQs tão boas, legais e divertidas em suas revistas tão simples e acessíveis a todos.


Fonte de Pesquisa: INDUCKS


Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.



quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Mensais Disney de Dezembro - Capas e sinopses


O Natal está chegando. O bom leitor de 'Quadrinhos Disney' adora essa época, pois é o momento ideal para degustar aquelas aventuras encantadoras com os personagens mais amados desse universo.

 A Abril Jovem caprichou nas mensais deste mês. 

Aventuras inéditas que vão proporcionar muita diversão neste fim de ano. Confira:






Pateta n° 68 - Paródia hilária de uma aclamada saga da própria Disney: A Espada de Gelo. Mickey e Pateta voltam às suas viagens interdimensionais, mas desta vez vão parar em um mundo completamente maluco! E tem mais: Pateta vira ajudante de Papai Noel em uma história com a participação de Gilberto e Indiana Pateta.

Pato Donald n° 2462 - Há algo de muito errado na Lapônia, terra do Papai Noel. E cabe ao Pato Donald e aos Escoteiros Mirins descobrir o que é. Do Polo Norte para a Argentina, Donald vira um herói gaúcho. De volta a Patópolis, ele será vítima de uma maldição de ano-novo!

Zé Carioca n° 2427 - Histórias raras dos anos 1970, 80 e 90. Zé Carioca, seus primos e suas encrencas no Natal. E ainda tem: Morcego Vermelho, Morcego Verde e os Metralhas da Távola Redonda.

Minnie n° 68 - A Disney volta no tempo e leva você para o Alasca, quando este ainda era um território da Rússia. Naquela região inóspita, os antepassados de Mickey e Minnie vivem uma história de amor e coragem que vai aquecer até o mais frio dos corações! E mais: Mickey e João Bafo-de-Onça protagonizam uma história de suspense inspirada no filme Janela Indiscreta.

Mickey n° 892 - Um trenó avariado e renas do Polo Norte são encontrados no meio de uma floresta tropical, como se o Papai Noel tivesse sofrido um acidente. O que teria acontecido? Mickey é chamado para a investigação de sua vida em pleno Natal. Nesta edição, três histórias de Boas Festas com o melhor da Disney.

Tio Patinhas n° 618 - 80 páginas de quadrinhos inéditos, 4 histórias natalinas e uma aventura na selva. Edição emocionante com destaque para o dia em que o pato mais rico do mundo fez o maior dos sacrifícios para salvar a vida de um desconhecido.


Fonte de divulgação: Abril Jovem


Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.


sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

PATINHAS, DONALD e a ENERGIA SENTIMENTAL



A revista Tio Patinhas n° 618 chega às bancas com clima de final de ano. Até aí, nenhuma novidade, já é uma tradição que tenhamos o prazer de desfrutarmos de excelentes aventuras natalinas. Não é à toa que o título "Natal de Ouro Disney" é tão aguardado, ano após ano. As mensais também focam nesse 'espírito', trazendo, por sua vez, uma boa seleção de obras inéditas. É um prazer o clima natalino desse universo maravilhoso!

Voltando ao foco, considero como um presentão a HQ de abertura da revista Tio Patinhas n° 618, que chega neste mês. ENERGIA SENTIMENAL é toda produzida (roteiro e desenhos) pelo grande MARCO ROTA, um dos meus Mestres Disney contemporâneos preferidos.



Patinhas precisa de uma novidade para lucrar neste final de ano. Por acaso, Donald o ajuda a criar uma árvore de Natal diferenciada, uma inovação de padrões que consegue despertar a atenção - $$$ -  de todos os patopolenses. 

Em meio a esse sucesso, algo inusitado acontece: seres cósmicos de luz, movidos à energia sentimental, encalham. Eles precisam ir, mas não possuem nem o mínimo suficiente para alimentarem sua nave. 

Donald repassa ao tio a informação que lhe foi dada: 

"O jeito é dar a eles um objeto que tenha grande valor sentimental a alguém. Eles vão usar a energia sentimental que a pessoa acumulou no objeto durante anos. Quanto mais tempo, maior energia. Mas a pessoa deve renunciar ao objeto para sempre." 

Tio e sobrinho partem em busca de objetos valiosos a serem arrecadados. Nesse momento, a trama fica ainda mais enriquecida com as participações de outros personagens tão queridos como a Vovó Donalda, o Gastão, o Prof. Pardal e a Margarida. Todos eles têm algo de grande valor sentimental o qual estavam dispostos a abrir mão.




Essa história fala do valor sentimental que temos acerca de tudo o que vamos possuindo e que é necessário nos desapegarmos de algumas coisas,  de vez em quando, porque a essência daquela estima, na verdade, reside em nossos corações, nossas lembranças, nossos sentimentos. Os objetos podem ter outro destino eficaz - fazer a alegria de mais pessoas, construir outras histórias por aí.

Obrigado à Abril Jovem, responsável pelas principais publicações de 'Quadrinhos Disney' no país, há mais de 50 anos, por manter essa tradição de nos presentear com ótimos gibis nesta época. 


Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.



quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

SUPERPATO E A FAZENDA DO FUTURO



Nesta HQ, o Superpato resolve investigar uma onda de crimes envolvendo animais. Tudo começa com roubos em "pet shops", o que leva nosso atrapalhado herói até um lugar. Acontece que ele não vê nada, lá, que lhe desperte a atenção e, ao mesmo tempo, acaba sendo golpeado sem ter a menor ideia de como isso ocorreu. 


Patinhas aparece como empreendedor de um novo modelo de fazenda, um projeto que promete revolucionar a criação de animais e alavancar os lucros da produção rural, reduzindo a mão-de-obra dos proprietários e colocando os bichos para executarem tarefas no lugar de pessoas. 



Curioso, Superpato 'cola' no tio, afim de investigar seu suposto envolvimento no que está acontecendo: os roubos aos "pets", o lugar desconhecido onde rações são armazenadas clandestinamente, tantas vacas e galinhas agindo de maneira estranha naquele recinto. 

O que eu achei:

SUNE TROELSTRUP (roteiro) e GIORGIO CAVAZZANO (desenhos) foram bastante felizes em mais este trabalho. A explicação faz a aventura se tornar curiosa. Mais uma história mega divertida com o Superpato tradicional que tanto gosto - aquele que é bem mais simples e dispensa cenários marvelianos que se disfarçam de Patópolis futurista. 



Publicada em Outubro de 2016


 Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.