segunda-feira, 31 de outubro de 2016

MAGALI N° 12 - Nova Edição - CAPA



Muito legal essa capa da Magali n° 12, da editora Panini Comics. A história de abertura me divertiu bastante, pois trata-se de uma família de fantasminhas que acabam indo parar na casa da Magali. Queria ter falado sobre ela, hoje, até fiz um vídeo, mas não deu tempo para terminar. Por hora, fiquem com a imagem, que por si só já tem toda a alma do dia - ou melhor - da noite de hoje. Cuidem-se!

Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.

LAICA - HALLOWEEN





Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.



terça-feira, 25 de outubro de 2016

EM PRIMEIRA MÃO: SUPERPATO E A NATA DE PATÓPOLIS



Em primeira mão,  socializando agora uma aventura bem bacana com o SUPERPATO tradicional, ou seja, aquele SUPERPATO que defende a Patópolis atual. O SUPERPATO que eu gosto. Que me perdoem os admiradores daquelas sagas 'marvelianas' do SUPERPATO futurista. Elas até são bacanas, mas eu vibro mesmo é que com este Donald parodiando super-heróis e tendo seus dias de glória.

"A NATA DE PATÓPOLIS" será publicada na revista do Tio Patinhas n° 617, deste mês de Novembro. 


SUPERPATO é convidado às pressas pelo prefeito, em decorrência de um evento muito importante que será realizado na cidade, mais precisamente à nata de Patópolis - isto é: algo de bastante prestígio a poucos, apenas os que são considerados de grande importância. 

Entretanto, o que querem do nosso herói é que ele fique lá fora, olhando os carros dos ilustres convidados. Em meio ao desabafo: "Pirou! Eu pareço algum manobrista?", ele se retira e fica remoendo aquela proposta indecente no seu coração chateado.



Sei bem como é ser um Zé Ninguém na sociedade, uma pessoa indesejável que, apesar de ter bom coração, está sempre na mira de olhares preconceituosos os quais, no menor deslize a ser cometido, apontam o dedo e vomitam palavras cretinas em cima de você, como se essas tais pessoas se sentissem perfeitas demais a tal ponto de te julgarem e te pregarem em uma cruz apenas porque, um dia qualquer, viram algo de ruim em você. 

É a máscara da hipocrisia (daqueles que dizem não ter preconceito contra quem está num patamar de vida inferior) que, então, cai sem que os mesmos sequer tenham tal discernimento. Quer dizer que o SUPERPATO serve para promover a segurança dos carros da nata de Patópolis, mas não serve para ser homenageado no evento como alguém importante à Patópolis??? Sei.... (coração apertado aqui)

Nesse momento, coisas estranhas começam a acontecer. Ele, que já estava  por ali, pensando com seus botões, resolve averiguar. Eis o ponto de partida para uma grande aventura onde o SUPERPATO luta contra seres gosmentos do espaço que viram o evento como uma feira qualquer de seres humanos prontos para serem dominados. 


O que eu achei:

Importante ressaltar a riqueza do roteiro, que é bem criativo desde o seu início, quando já apresenta, sem mais delongas, a quê veio a trama.

SUNE TROELSTRUP (o roterista) dosou com sabedoria os instantes de suspense e os de 'relax' - aqueles que servem para trabalhar ainda mais os personagens e suas características.

GIORGIO CAVAZZANO (o desenhista) dispensa comentários. Mestre Disney consagrado!

As mudanças de ambientação foram muito bem amarradas, umas às outras, atentando-se para os momentos inusitados apenas o tempo necessário. Uma feliz evolução da história, que manteve a magia dos personagens e o interesse de devorar cada página em busca de saber o que mais faltava acontecer.

Tem alguns absurdos que não se costuma ver nas HQs de hoje em dia. Achei interessante, por exemplo, a situação do hospício, onde ninguém percebeu que é o Donald ali, internado, o tempo todo. São essas coisas um tanto inexplicáveis que dão o viés de fantasia e um quê todo especial a uma boa HQ. Pra quê muitas explicações sobre tudo o que se passa? Não precisamos delas. E terem inserido o Silva (o vizinho encrenqueiro do Donald) foi algo bem legal também. Adorei!










Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.




quinta-feira, 20 de outubro de 2016

EM PRIMEIRA MÃO: MICKEY E A PIRÂMIDE DE MOUSEBRIDGE



A Abril Jovem já está divulgando as revistas da Disney do mês de Novembro, e eu me sinto lisonjeado de poder obter essa história em primeira mão para compartilhar com vocês.

Uma grande surpresa ao leitores dos quadrinhos Disney! Mais uma aventura com arte impecável do grande Mestre Disney PAOLO MOTTURA, por meio de um excelente roteiro de SISTO NIGRO, que retratou uma paródia da PIRÂMIDE DE CAMBRIDGE - quando o futebol sofreu sua primeira reformulação estratégica.

Sim, meu caros! Estou me referindo ao futebol nosso de cada dia, tão amado pelos brasileiros!


 A ambientação se passa na Inglaterra do século XIX, mais precisamente em 1877, na Universidade de Crambridge. 

Todo o deslumbre das características clássicas da cultua britânica se desdobram em arte aos nossos olhos, quadro a quadro, à medida que vamos nos infiltrando nessa aventura do Prof. PATETSON (Pateta), que não conseguia fazer seu time ganhar as partidas. Por mais que ele entusiasmasse seus jogadores, algo acabava direcionando-os a uma derrota.



Esse cenário estava prestes a mudar com a chegada do Prof. MICK McMOUSE (Mickey), um pesquisador científico escocês e grande admirador do esporte, que enxergou a luz no fim do túnel.



O outro time era bem mais agressivo e corpulento. McMOUSE queria um time que não focasse apenas no ataque. Para ele, era preciso estipular comandos e designações ao jogadores. Era preciso algo além de força e preparo físico - era preciso TÁTICA, ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO.







Outros personagens que aparecem na trama:

HORACE (Horácio), jornalista da RATSHIRE GAZETTE

MISS MINNIE DERRAT (Minnie), recém-chegada de Londres, egiptóloga, seu foco atual era um estudo sobre pirâmides.

JOHN JAGUARBREATH (João Bafo-de-Onça), treinador do time adversário, visto como um professor de trapaças e maus exemplos

REITOR DA UNIVERSIDADE DE MOUSEBRIDGE (Cel. Cintra)


O que eu achei:

MICKEY E A PIRÂMIDE DE MOUSEBRIDGE é uma verdadeira Graphic Novel reunindo arte, cultura, ação e entretenimento acerca do futebol.

Mesmo eu não sendo um admirador convicto do esporte, tenho que dar o braço a torcer - esta é uma aventura imperdível!


Fontes de pesquisa:

Wikipedia
Abril Jovem


Abraço a todos.

Fabiano Caldeira.


quarta-feira, 19 de outubro de 2016

DISNEY - OS COZINHEIROS




OS COZINHEIROS teve esse título em homenagem ao saudoso Disney Especial homônimo. Na verdade, o título verdadeiro não fugiria muito dessa tradução, pois "IN CUCCINA" seria algo do tipo "NA COZINHA". A mudança nem foi tão grande assim e ainda homenageou um título que deixou saudades a muitos leitores.

Essa publicação foi lançada em 16 de Maio de 2014 e faz parte de uma série de revistas mensais com viés especial a respeito de um assunto em específico - assim como foi NO FUNDO MAR, conforme me expressei em outra postagem, que é um dos meus títulos preferidos. 

Essas edições contém em média 300 páginas, não trazem numeração e nem um título fixo, o que é muito bom para facilitar a aquisição. 

É possível encontrá-las nas bancas que trabalham com vendas de encalhes (aquelas revistas que não são vendidas e voltam a preço bem menor, após algum tempo) e também em alguns sebos que possuem grande variedade em quadrinhos e lojas 'on line'.

As histórias desta edição:

A BANDEJA VOADORA
O TAM-TAM PRÉ-HISTÓRICO
O TEMPERO DO CHEF
O MISTÉRIO MARGHERITA
A ULTRAPIZZA
OS MESTRES DA COZINHA
A INCOMPARÁVEL SRTA. QUEIMALENHA
O CATASTRÓFICO TARATATÁ
CONFEITEIROS DA CONFUSÃO
A ILHA DAS BROAS
NÃO HÁ FOOD MAIS FAST
O QUITUTE DE NEGÓCIOS

Gostei de ter encontrado personagens diversos como a Vovó Donalda, Gansolino, Prof. Ludovico, Prof. Zapotec, Prof. Pardal e seu assistente Lampadinha, além dos rotineiros Mickey, Minnie, Pateta, Donald, Huguinho, Zezinho, Luisinho, Patinhas, Gastão e Margarida.

Comida é um tema que muito me  atrai, portanto, eu sabia que me divertiria com essas tramas.

Roteiristas como Carlo Panaro, Rodolfo Cimino, Corrado Mastantuono e desenhistas como Giorgio Cavazzano, Massimo De Vita e Luciano Gatto são o tempero todo especial desta edição.


Fonte de Pesquisa: INDUCKS


Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.



quinta-feira, 13 de outubro de 2016

DISNEY - NO FUNDO DO MAR



NO FUNDO DO MAR foi lançado em 25 de Março de 2013. Trata-se de uma das várias revistas que não tiveram numeração e nem qualquer informativo de que se trata de uma coleção. Na verdade, várias edições assim foram lançadas mensalmente nas bancas. Eram chamadas de ALMANAQUES TEMÁTICOS, pois encabeçavam aventuras referentes ao título em questão. NO FUNDO DO MAR, por exemplo, é todo repleto de aventuras que vão de encontro, exatamente, a essa sugestão. 

Posso dizer que este é um dos melhores volumes de toda essa série de publicações. As tramas que mais me marcaram foram "Donald, o Sereio", "Deu bode em Acapulco", "Um problema Abissal" e "O Mistério de Poseidon".

A seleção toda consiste em:

DONALD, O SEREIO
O DILEMA DAS CARGAS
A CONCORRÊNCIA SUBMARINA
NO FUNDO, NO FUNDO...
DEU BODE EM ACAPULCO
CAÇA AO KRAKEN
A ILHA DOS SONHOS FUGÍDIOS
DEPOIS DA RESSACA
UM PROBLEMA ABISSAL
O MISTÉRIO DE POSEIDON

É possível encontrar NO FUNDO DO MAR em alguns lugares. Às vezes, naquelas bancas que recebem material de encalhe (as revistas que não venderam voltam mais baratas depois de um tempo), em alguma rede boa de hipermercado e até em bons sebos. 

Se um dia desses você se deparar com um exemplar desse por aí, pode levar para casa, porque ele vai te divertir.

Às vezes, tudo o que precisamos é entregar-se à leitura de um bom livro ou gibi. Ambos são muito bons e nos mostram um momento em que nos conectamos a um outro mundo.


Fonte de pesquisa: INDUCKS


Um forte abraço, 
com muito carinho,
deste pato que vos escreve


Fabiano Caldeira
a alma gêmea do Donald
neste estranho mundo real


terça-feira, 11 de outubro de 2016

ENCADERNADOS DE LUXO DISNEY em ASSINATURA

A Abril Jovem, divisão de publicações dos tão queridos 'Quadrinhos Disney' da editora Abril, entrou com um lançamento que considero no mínimo surpreendente e ousado: um sistema de assinaturas exclusivo a quem deseja receber no conforto de sua casa os lançamentos dos especiais de luxo da Disney - aqueles livros em capa dura e fino trato, sempre focando em algo de grande sucesso.

Para fazer a sua assinatura é preciso ir no site da GOBOX. De cara, você irá encontrar uma apresentação deste tipo, com todas as informações mais precisas, tão mastigadinhas e gostosinhas quanto aquelas papinhas de nenê.







Só para você ter uma ideia da excelente qualidade que estão a oferecer, essas edições de luxo já contaram com volumes de peso como: 

"A SAGA DO TIO PATINHAS", reconhecida mundialmente como a maior obra de Don Rosa acerca da vida do pato quaquilionário de Patópolis.

"ESCOTEIROS MIRINS", o melhor apanhado de HQs dos Escoteiros Mirins já visto até agora. Muitas delas são fonte direta de Carl Barks, e outras, têm o dedo dele, ainda que seja de outra forma.

"PERDIDOS NOS ANDES", o objetivo é claro e preciso: colocar à disposição dos leitores brasileiros todo um acervo histórico e precioso das clássicas produções de Carl Barks: o Pai Criador dos patos. É a nata das produções envolvendo Donald, Huguinho, Zezinho, Luisinho e Patinhas. E ainda procuraram manter as histórias o  mais fiel possível dos originais.

"AS GRANDES AVENTURAS DE MICKEY", recheado de produções de Paul Murry, o principal criador das aventuras policiais que projetaram o camundongo para sempre nos quadrinhos. Quem não se lembra daquelas historinhas antigas onde Mickey perseguia o bandido Mancha Negra a mando do Cel. Cintra? E ele levava o Pateta sempre consigo, para dar aquela mãozinha (na graça da história). Uma boa pedida também para as criancinhas do prezinho ou as que estão no primeiro e segundo ano escolar. Afinal, elas não podem ficar restritas apenas aos vídeos da Xuxa Mun-rá para Baixinhos, Galinha Pintadinha Highlander, Mauricio de Sousa guia prático de boas maneiras em quadrinhos e musiquinhas chicletes de verão eixo Rio-São Paulo. É preciso mais, e esta coleção das aventuras do Mickey, por Paul Murry, cumpre bem essa missão.

Essa nova oferta de assinatura nos mostra que muito mais ainda está por vir. Conheça melhor o esquema que, de brinde, está oferecendo aos primeiros assinantes uma caneca alusiva a Perdidos nos Andes e também uma caixa, no maior estilão vintage, para que você possa preservar melhor sua primeira aquisição.



Vem aí, para este mês:





Fontes de pesquisa: Abril jovem, Socializando Disney, Gobox


Abraços a todos

Fabiano Caldeira.


sábado, 8 de outubro de 2016

ALMANAQUE TEMÁTICO N° 40 - MAGALI & MINGAU




Este mês, o Almanaque Temático chega ao número 40 e foca na Magali e no Mingau. Tudo leva a crer que teremos cerca de 160 páginas de tramas dos dois.

Bem que a  MSP - Mauricio de Sousa Produções - podia colocar as primeiras vezes em que o Mingau apareceu. Não é tão difícil assim, republicá-las, uma vez que elas podem ser facilmente encontradas, restauradas, nas primeiras edições da Magali na Coleção Histórica Turma da Mônica. O material está prontinho lá.

O gatinho angorá branco foi amor à primeira vista pelos leitores. Assim sendo, de certa forma, fica imprevisível deduzir o que constará na seleção. Será que veremos HQs mais antigas, ou decidiram dar preferência às mais atuais? Além de Magali e Mingau juntos, será que também veremos histórias solo, ou seja, apenas de um dos dois? 

Confesso que estou curioso para obter essa edição. A menos que eu esteja enganado, trata-se de um apanhado de historias que os admiradores do bichano não devem dispensar. 

O Almanaque Temático n° 40 - Magali & Mingau contém cerca de 160 páginas e custará R$ 7,20 (sete reais e vinte centavos). Provavelmente, é bom ficarmos de olho a partir do dia 20.





Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.



quarta-feira, 5 de outubro de 2016

MAGALI, MINGAU E PEPINOS



Gatos possuem um estranho medo de pepinos. Já vi vídeos hilários onde eles tomam muito susto quando veem algum. Especialistas dizem que não é nada bom provocar essa reação no bicho, fruto de seus instintos naturais que se afloram subitamente ao extremo diante de serem surpreendidos com um pepino. 

Essa história será para explicar esse fator? É possível. Resta conferir o quão empolgante ela será. 

Fiquei curioso. Chega neste mês, nas bancas.


Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.


terça-feira, 4 de outubro de 2016

TMJ... Ah, a TMJ de hoje.....


Estou sempre passeando onde tem bancas e livrarias. Mas isso não quer dizer que paro todas as vezes para olhar o que tem lá. Cerca de uma vez na semana é que acabo me dando ao luxo de folhear algumas revistas e/ou livros para saber o quanto eles me prendem a atenção.

Ontem, peguei uma revista da TMJ nas mãos, essa última com o tema do Apanhador de sonhos. Folheei uma página, outra e outra...li alguma coisa, voltei para página tal, depois fui para uma outra página, li um pouco, vi os desenhos, enfim... o que eu achei?

O Flávio vem sendo um dos criadores de historinhas da MSP que eu mais gosto. É constrangedor emitir meu pensamento agora, mas o fato é que não tive nenhum pouco de vontade de adquirir aquela edição - nem mesmo sabendo que o grande Flávio esteve por trás daquela produção. 

Eu tenho a TMJ n° 1 e já li alguns números avulsos por aí, ao longo desses anos. Poucos, na verdade. Bem poucos e que eram da fase inicial de produção. O que vi, agora, são desenhos muitos diferenciados àqueles de outrora. 

Antes, cair de olhos nas aventuras da TMJ era como estar diante de algo que pareciam imitar o estilo manga de quadrinhos, as expressões dos personagens eram bastante estilosas para o oriental, bem caricatas mesmo, fugindo bastante de todos os estilos da turma da Mônica que eu já vi ao longe desses meus quase 40 anos de idade.

Agora, os desenhos são bonitinhos, harmoniosos, charmosinhos... e sem graça. São muito bem feitos, tenho certeza de que os artistas são feras. Longe de mim questionar esse tipo de coisa, pois estou certo de que a produção dessas revistas tem gente muito, mas muito talentosa envolvida. Mas, por algum motivo, preferia a caricatura de mangá da fase inicial a este capricho de arte atual - eram mais expressivos os personagens, tinha mais emoção, o roteiro fluía melhor, com mais dinamismo. O "espírito da coisa" era outro. 

Desculpem os fãs da revista. É muito bom ler aquilo que a gente gosta e tem vontade. E eu digo para que leiam mesmo! Leiam muito! Leiam gostoso! Ler é ótimo! 

Mas,  a gente tem que ler o que a gente gosta. Eu não gostei do que vi...


Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.