sexta-feira, 17 de junho de 2016

Relato: Gente de mente ociosa, burra e ignorante que se diz escritora - como tomei legal hoje no fiofó.



Então conheci o Wattpad - uma plataforma onde os escritores disponibilizam suas obras para serem lidas. Para acessar milhares de conteúdo, não precisa pagar nada, basta fazer um cadastro simples e pronto! Já está com seu perfil funcionando lá.

Gosto de ler, escrever. Também desenho. Mas, ultimamente, escrever vem sendo o meio mais fácil de fazer com que minhas ideias ganhem "corpo". Entretanto, sou um cara muito sério em tudo o que faço. Quando faço, procuro dar o melhor de mim, pois é buscando a admiração de um leitor que eu escrevo, ora bolas!

Qual não é minha surpresa que me deparo com um monte de gente que não quer nada com nada naquele aplicativo. Pessoas que parecem estar desperdiçando um tempo precioso delas em ociosidade coletiva a qual publicam qualquer porcaria que chama de obra, e ficam esperando elogios rasgados e indicações de todo mundo.

Bem... Como a polêmica me ama, um cara leu meu conto do Dia dos Namorados (um conto hétero que nem tem sexo, mostra apenas que o amor acontece) e eu, curiosamente, tinha lido críticas bem favoráveis a uma obra que ele estava postando em seu perfil. Fiquei contente em saber quem era, e resolvi ler o que ele escreveu. MEU DEUS DO CÉU!!!

Uma merda de história. Pra começo de conversa, o cara fez de cada página um capítulo. Dizia que era uma novela. Putz! O cara não sabe nem diferenciar características acadêmicas que se referem a uma obra como sendo um conto, uma crônica, um romance ou uma novela. Ele acha que é só dizer que é novela, então está tudo beleza! AH, AH, AH! Sério! Muito "hard" a coisa toda! 

E a história em si mostra uma mulher que foi sequestrada, mantida em cativeiro por, sei lá, quanto tempo, e um dia a polícia finalmente descobre e vai resgatá-la. Tudo colocado de forma bem vaga mesmo, sem trabalhar nada e nem ninguém. A mulher é um mero personagem que serviu só pra depósito de porra e nada mais. Aí, depois de salva, ela deu um depoimento de uma hora na delegacia e foi liberada para voltar para casa. Assim mesmo! Sem falar nada do depoimento, sem fazer amenor menção a um procedimento de corpo de delito para constatar as agressões, sem nada além da bonita se levantar e ir embora, assim, linda, leve e solta. AH, AH, AH! 

Mas pior mesmo fui eu, na minha inocência, deixando recado em particular para o cara e sugerindo alguma melhoria nessa história dele. O cara me deu o maior ignore. Fui a um grupo específico do Wattpad no Facebook e coloquei a situação como exemplo, para alertar demais colegas que um dia têm como objetivo ter um romance deles publicado em algum lugar. Vejam abaixo, a postagem:


"Leitura de Wattpad... Pessoal legal, história com potencial. Mas comecei a ler e Vi coisas inconclusivas. Então a mulher é sequestrada, mantida em cativeiro e a policia chega ao local através de marcas de pneu no asfalto (???) e depoimentos diversos de pessoas (???). OK. Passou. Daí a moça é libertada e vai a delegacia cumprir todo um procedimento de praxe. Mas ela só dá um depoimento e vai embora. Oi??? Cadê o exame de corpo de delito, que é obrigatório? E procedimento psicológico, opcional, nas sequer foi mencionado. 
Pessoal tem um potencial enorme. Muito bom mesmo. Mas erram feio em questões as quais precisam adquirir conhecimento. Ficção não é reinventar a policia. Em alguns casos, em nome da fantasia, até dá pra deixar passar. Mas, normalmente, é necessário ter um pouco de conhecimento sobre aquilo que você vai colocar na sua história."


Uma pena que não pensei em dar um "print" quando essas palavras estavam no grupo, pois ia pegar alguns dos mais estranhos comentários que já li. Resumindo a ópera. Conforme vocês viram aqui, em um grupo de milhares de pessoas como aquele, joguei essas palavras sem dizer nomes de autor e da obra, apenas para ilustrar uma situação que pode acontecer todo escritor: escrever algo sem conhecimento de causa. A postagem rendeu várias tretas. Vi muita gente abusada, gente se fazendo de sonsa e gente me dizendo como eu deveria me comportar, o que eu deveria escrever, me ditar uma série de boas maneiras. A maioria do pessoal resolveu mesmo me esculachar. AH, AH, AH! 

Não bastasse tudo, inúmeros comentários ruins me surpreendendo, de pessoas completamente ignorantes e que insistiam em querer permanecer na ignorância em que estavam, ainda veio o tal autor que eu não tinha identificado, e se apresentou como sendo dele a obra, então, tivemos um momento de vitimização. Ai, ai... 

Bem... Comecei a ver que ninguém ali queria nada com nada. Evidente que havia pessoas boas e serias, mas, infelizmente, era uma minoria irrisória. Muitos alegavam que Wattpad era só diversão e futilidade. Uma pena! A ferramenta é boa de fato, mas, com essa criaturas se multiplicando nela, realmente, não vejo uma luz naquele túnel aos mais sérios e dedicados à arte de escrever. Pessoas burras querendo continuarem burras. Preocupando-se se tal palavra do parágrafo ficaria melhor do que a outra, que era o seu sinônimo, e um pouco mais feia de se usar.... mas não se preocupando em nada que dizia respeito ao conteúdo da historia que escreviam.

Resultado: Não desfiz meu perfil no Wattpad, porque, de alguma forma, ajuda em alguma coisa. Sei lá como, pois entrei, lá, há pouco tempo e, até agora, não aconteceu nada que me ajudasse com coisa nenhuma, mas deve ser importante. Li coisas boas, de quem realmente está a fim de contar uma história. Então, por isso, pela plataforma em si ser boa ferramenta, não deletei meu perfil. 

O grupo homônimo no Facebook me baniu após eu surtar e deixar de ser o bom moço para, então, ficar trolando com quem ficava querendo denegrir minha pessoa. Eles achavam que estavam me fazendo sentir mal. Quando eu falei que não, que eu estava me divertindo com eles, eles me baniram. AH, AH, AH! Eles acharam que eu ia chorar em cada comentário hostil que me colocavam? Se liga! Eu sou mais eu! Já passei da fase de precisar de aprovação de gente desqualificada no assunto. Assim como eles começaram a tirar onda com a minha cara, comecei a revidar também. E eles não gostaram. AH, AH, AH! 

E hoje, esse acontecimento me serviu para uma coisa. Aprendi uma grande lição:

Não importa o que seja. Se você é bom no que faz e conseguiu isso a duras penas, não jogue essas suas pérolas por aí, a qualquer um. Não vale a pena. Você não se beneficia em nada fazendo isso, e também não ajuda a ninguém, pois as pessoas não levam a sério o teu conhecimento e o quanto foi duro para que você tivesse adquirido o que aprendeu. Elas não reconhecem tua ajuda. Elas não estão nem aí. Elas até se incomodam com o fato de você surgir do nada e mostrar que sabe um pouco mais do que elas. O desejo delas não é melhorar - é te prejudicar. Entendeu?

E aí, eu me lembro do blogue do Hiago Waldeck, um cara interessante que descobri por acaso, que narra ser um garoto de programa, sua luta para ser, hoje, "O GAROTO DE PROGRAMA". Por que me lembrei dele? É que chove de homens procurando dicas com ele, pedindo ajuda para também se tornarem um bom garoto de programa, e o Hiago não ajuda. Pelo menos, até onde li, ele não ajudava muito, não. rsrs.... Eu nunca o julguei por isso. No máximo, achava inusitada tamanha sinceridade dele em se recusar a prestar qualquer dica a um ser humano que também se dizia precisar ganhar a vida. Mas, hoje, compreendo bem o comportamento dele em não ajudar. Hoje eu sei que ele está fazendo o correto. Está se preservando e se valorizando. Não está desperdiçando seu tempo e toda a ralação que tem sido a sua vida para ficar dando atenção a quem não precisa. Por que, no fundo, no fundo, essas pessoas que procuram por ele não são esforçadas, não querem ter conhecimento, jogo, não querem aprender o caminho da pedras, de verdade. Elas só querem passar o tempo se masturbando mentalmente enquanto ocupam, sim, o tempo precioso de quem tem mais o que fazer. Parabéns, Hiago! Demorou para eu compreender teu gênio, tua atitude, mas agora eu sei que é por aí mesmo. 

Nunca mais vou ajudar a ninguém em assunto nenhum. 

[Noffaaaa! Que dramaaaa, hein, biiii!!!]

Sim. Realmente, é um drama. rsrsrs... Mas, faz parte. Tem que ser assim. Valorizar o pouco conhecimento que tenho e não ficar perdendo tempo com gentalha que brinca de escrever e, com isso, fica prejudicando quem gosta de fazer tal atividade seriamente. Esse mercado já é tão difícil em um país de pessoas que não leem livros, e aquelas que até leem, mas não dão a menor chance aos novos talentos, porque se enraizaram perpetuamente no referencial de padrão dos clássicos da literatura. Então não preciso ser tolerante com aqueles que só dificultam ainda mais as coisas aos que realmente se empenham. Não quero ser amigável com pessoas que, através de um comportamento banal e leviano, fabricam lixo e insistem em permanecerem nele, esperando vendê-lo como mercadoria de grande valor - o ouro de tolo.

Vivendo e aprendendo!



"No mundo deserto de almas negras, me visto de branco."

Erasmo Carlos & Roberto Carlos




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Peço educação e gentileza na troca de ideias. Obrigado!