domingo, 7 de fevereiro de 2016

[HQ] A História dos Cebolas


Em pleno carnaval, compartilho essa aventura de época que mostra uma teoria fantasiosa de como se originou a descendência da família dos Cebola, mais propriamente os acentrais do Cebolinha.

Surpreendentemente, em apenas seis páginas, é possível viver toda a emoção do Sr. Bartolomeu, um vendedor de Cebolas pelo mundo afora que, infelizmente, quis o destino que o transformasse em um náufrago a ponto de sobreviver devido às cebolas e cebolinhas que começou a cultivar. 

Foi um tempo tão longo alimentando-se apenas dessa iguaria, que o organismo passou a incorporar características da cebola em seu DNA. 

O fato pode ser notado em seus cabelos e, um tempo depois, quando a vida já voltara ao normal, seus filhos nasceram e herdaram o aspecto de Cebola. 

Esta é mais uma obra prima publicada na revista do Cebolinha de n° 151, da Editora Abril, em Julho de 1985, contendo 68 páginas e o preço de capa a Cr$ 2500 (dois mil e quinhentos cruzeiros). 

Disponibilizo agora os "scans" na íntegra. Claro que não estão perfeitos, mas dá para entender  o que se passa, eu acho. 

Boa diversão!

Fabiano Caldeira.


--->>>  Banco de Imagens  <<< ----






8 comentários:

  1. Espertacular essa HQ e olha a riquesa dos traços? Gostei!! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Uma pena não ter créditos em cada HQ, para gente saber quem eram os artistas envolvidos.
      Um abraço.

      Excluir
  2. adorei os traços desta história. O título ficou muito bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nessa época normalmente tinha histórias nesse estilo de traço. Tem uma que lembro até hoje, A FITINHA, onde Mônica amarra uma fita de Nosso Senhor do Bonfim no pulso e faz um desejo. Cebolinha e Cascão ficam perturbando ela. Era nesses traços. Algumas revistas do Chico Bento também continha essa arte. Era um diferencial. Bem gostoso de encontrar.
      Abraços.

      Excluir
  3. Fantástico esses traços. Excelente. Interessante q eles gostavam de fazer HQs com os personagens da turma aparecendo só no final. Tinha muito isso antigamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Muito interessante. E o fato de que são personagens desconhecidos. Os outros, que já eram da turma, apareciam só no final ou em algum quadrinho importante. Hoje em dia, todos os personagens são sempre conhecidos. Tem personagem na MSP pra tudo, até pra cair do telhado.
      Abraços.

      Excluir
  4. Que traços incríveis, e a história também, a arte do mar agitado antes do naufrágio ficou linda! Impressionante como em apenas uma revista se encontram tantas histórias legais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma pena que não darei conta de mostrar todas, mas essas revistas do Cebolinha eram ótimas. Eu me lembro que chorava por elas quando, infelizmente, minha mãe insistia em me comprar Cascão e chico Bento por serem bem mais baratas. Então, no final do ano, quando eu passava de ano na escola, eu fazia a festa e escolhia, logicamente, aquelas revistas que eu não era habituado a ganhar. Essa do Cebolinha é de Julho, mas havia bancas que inexplicavelmente tinham essas edições lá, para troca ou venda como produto usado. Este exemplar, especificamente, voltou pra minha casa há alguns anos, em uma compra que fiz em um sebo on line.
      Um abraço.

      Excluir

Peço educação e gentileza na troca de ideias. Obrigado!