terça-feira, 19 de maio de 2015

[Revista] Vale a pena comprar as novas edições N° 1 da turma da Mônica?


Agora que as revistas "ne" estão chegando às bancas e adentrando lares de muitas pessoas, há um certo barulho na atmosfera paralela da Internet. Pessoas que ainda não compraram querem saber se vale mesmo a pena voltarem a colecionar as edições mensais de HQs inéditas da turma da Mônica.




Sabemos que gosto é algo muito individual. Como é que eu posso vir aqui e escrever um monte de linhas falando que as edições são um arraso, que melhoraram bastante, que os desenhos são bonitos e os roteiros estão muito bem bolados, etc.? Sempre é bom frisar que a pessoa deve procurar conhecer o material por elas mesma, fazer um juízo próprio do que está em suas mãos. A Internet - principalmente blogues como o meu - serve apenas para compartilhar impressões pessoais: uma certa opinião que é muito pontual, pois reflete apenas sobre mim. O que noto é uma expectativa de que as aventuras de Mônica, Cebolinha, Cascão, Chico Bento e Magali estejam a um patamar mais igualitário às tão bacanas histórias envolvendo Mickey, Pato Donald, Patinhas e muitos outros personagens tão amados e queridos do maravilhoso mundo encantando da Disney. A esses leitores, só tenho a dizer que o sonho de vocês ainda não se realizou. Não sei o que o futuro reserva. Acredito que a fase "Jovem" da turma da Mônica foi criada talvez para abocanhar esse tipo de aventura mais intensa, já que, por exemplo, Mickey, Minnie, Pateta, Clarabela, Donald, Patinhas e Horácio são todos personagens adultos; fica fácil inseri-los em contextos de bastante ação e com painéis de HQs bem bacanas. 

Os personagens que já, há tantas décadas, estão no bairro do Limoeiro e na Vila Abobrinha estão - e permanecerão - anos-luz abaixo desse patamar da Disney. Primeiro, porque já disse que o próprio universo é diferente. E depois, há também uma certa falta empenho e sustentabilidade de uma empresa ainda minúscula para investir em obras desafiadoras as quais cabem a contratação de grandes desenhistas com uma noção ampla de desenho e perspectiva. Veja bem! Estamos em uma fase de nova edição das revistas e a MSP ainda está no trâmite do "copia e cola" pra agilizar suas obras. Vocês acham mesmo que isso é coisa que se faça? Acham que nós, leitores, devemos esperar de fato uma HQ com atributos similares a uma aventura do Superpato, ou do Patinhas, ou dos Ducktales? Até a Minnie anda surpreendendo com boas histórias cheias de suspense, ação e emoção, desenhos e mais desenhos que são feitos à mão e depois ganham uma série de melhorias dos recursos digitais. Mas a matriz ainda é feita à mão. Não importa se a mão não vai mais no papel e agora desliza sobre uma tela tipo "tablet", mas a mão ainda está lá, rabiscando e fazendo. Mas isso porque os estúdios Disney são complexos, há uma estrutura mundial que abrange o plano multimídia. E um dia o poderio da Disney chegará tal que comprará sim os direitos da turma da Mônica. Ainda estarei vivo para ver isso acontecer. Porque a Disney tem interesse real em comprar, investir e adquirir, em melhorar e expandir. 

Deixando a Disney de lado, pois apenas coloquei a comparação para elucidar que não tem nada a ver ficar esperando material similar - são dois universos completamente diferentes desde o alicerce até os pontos frágeis do telhado de vidro de ambos. A turma da Mônica sempre foi simples. Mas, para pessoas como eu, com 37 anos nas costas, que já gastou "n" folhas de papel carbono rabiscando as revistinhas da infância, há de se reconhecer muita genialidade nesse padrão de simplicidade das HQs. O tempo passou e as mudanças vieram. As histórias foram ficando diferentes. Uma certa rigidez de controle começou a ficar estabelecida nos argumentos das tramas:  as crianças não podiam mais ir a um bar, supermercado, quitanda, não podiam mais ajudar os pais em uma tarefa, não podiam mais praguejar porque tinham que ir à escola. Os ladrões evaporaram, a morte chegou a perder sua foice em alguns poucos quadrinhos e ser vista até, de certa forma, galante. Aventuras inspiradas no Jardim do Éden, na Arca de Noé e na abertura do mar, por exemplo, já não tinham mais vez nas publicações. O exagero nesse sistema de cautelas foi tamanho que parecia uma ordem retirar todas as palavras "AZAR" das publicações já existentes. 

Focando ainda mais nas novas edições n°1 que ganharam as bancas agora, neste mês de Maio, alguma coisa mudou sim. A revista da Mônica mostra algumas situações que não são tão politicamente corretas a meu ver: Mônica e Cebolinha pilotando um submarino de verdade e indo mar afora em busca de uma revista n° 1 da tal vaquinha blau blau, Xabéu dando uma ponta na piscina e batendo a cabeça no tal submarino, e o homem pseudo-náufrago que simplesmente abandonou Mônica e Cebolinha sozinhos, entregues à própria sorte, na ilha deserta dos gibis... acredito que essas situações não estariam viáveis em publicações de até um ano atrás. Já considero este um grande avanço DESDE QUE PERMANEÇA e não seja algo exclusivamente do n° 1, feito apenas para chamar a atenção e seduzir leitores.

Uma boa qualidade de historinhas e desenhos - feitos a mão - seria a base ideal para uma boa expectativa dessa nova fase. Será que o estúdio está querendo avançar? Será mesmo que estão vigilantes quanto a qualidade das HQs e deixando de lado todo aquele exagero de "isso não pode" e "aquilo também não"? Se esse patamar atual  se manter nos próximos números, teremos uma fase de gibis bem interessante. Torço para que essa seja uma realidade constante. Tenho muito apreço pelas revistas em quadrinhos da turma da Mônica.


8 comentários:

  1. Vale a pena comprar as novas edições N° 1 da turma da Mônica?

    Lógico que não, né? Muito politicamente correto, roteiros fracos, traços terríveis de PC e letras, idem. Nada anima. Eu não vi nada de mais em nenhum dos gibis, tudo a mesma coisa. No geral, não foram ruins, mas nada q seja excelente.

    Eu não tenho esperança q melhorem, um ou outro detalhe bom pode ser exatamente isso q vc falou feito apenas para chamar a atenção e seduzir leitores. O ideal é se contentar com as antigas, sempre. Mas fico feliz q te agradou de alguma forma. No aguardo da sua opinião das outras revistas. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabemos que não serão como antes. Fato! Uma pena que não gostou, Marcos. Espero que as próximas também me deixem satisfeito. Um abraço!

      Excluir
  2. Eu achei que teve mudanças boas. Usaram "carnificina" em uma revista, fora do padrão.

    Acho que é cedo pra falar que nn vai mudar nada.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Matheus, que gostou. Obrigado por compartilhar aqui.
      Abracos

      Excluir
  3. Fui na banca essa semana e não vi as de número 1, e nem as de número 100 com capa brilhosa, uma pena morar em lugar esquecido, aqui as coisas sempre chegam por último, vou ver se acho próxima semana, tenho esperança que melhorem as coisas.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Andre! Uma pena mesmo. Essas edições me agradaram. Há HQs divertidas nelas.
      Torço para que encontre. Aqui só chegou após o dia 14. Logo, elas vão ficar nas ancas daqui seguramente até o dia 10. Quem sabe, aí onde mora, elas estão chegando? Dê uma passada nas bancas de vez em quando. Um abraço!

      Excluir
  4. Resumo das revistas:

    Monica #1 caretas e humor sem noção que acaba divertindo
    Chico Bento #1 historia de politicamente correto só pra não perder costume né
    Magali #1 estepe pra TMJ
    Cebolinha #1 nem la nem cá
    Cascão #1 melhor historia com meu animal preferido atras apenas do mingau
    Turma da Monica #1 nem li

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah ah ah ah ah ah

      Eu RI muito com esse comentário!
      Amanhã terá postagem nova.

      Abraços.

      Excluir

Peço educação e gentileza na troca de ideias. Obrigado!