quinta-feira, 23 de abril de 2015

[Revista] Pensando sobre as revistas da turma da Mônica


As revistas mensais da turma da Mônica, pela Editora Panini, chegaram ao número 100 neste mês. A editora está com a produção desde Janeiro de 2007 e parece que há muita satisfação. Lembro de como era bom ler uma revistinha da turminha, mesmo do Cascão ou Chico Bento, no passado, as mais finas.

A Mauricio de Sousa Produções vem mudando bastante o patamar das histórias através dos anos; é uma renovação de acordo com os tempos, que vai fazendo com que os roteiros passem por adaptações e a finalização do desenho agora tem bastante digitalização. Alguns desses recursos são favoráveis, outros não. 

O fato concreto é que houve um certo enxugamento no teor das aventuras. Veja bem, a Mônica - personagem principal da turminha - já sofreu bastante com as traquinagens dos garotos que viviam correndo pelo campo a dizer coisas ofensivas como baixinha, gorducha, dente de abridor de latas, cabelo de banana etc.

Ela já se vestiu de palhaça e teve os sapatões pregados no chão (A PALHAÇA DA MÔNICA), já teve seus braços imobilizados, amarrados em cordões que, ao se mexer, abriam uma caixa cheia de minhocas, bem pertinho de onde estava (O INCRÍVEL PLANO DOS DEDOS MINHOCAIS), já foi do tamanho de um rato - e a paixão de um (UM AMOR DE RATINHO), já teve sua mente retirada de seu corpo, impiedosamente, e colocada no do Frankstein (A JOVEM FRANKSTÔNICA), já regrediu no tempo, voltando a ser um bebê (O TEMPO PRA TRÁS), viu todo mundo ficar azul (OS AZUIS) e até foi com seus melhores amigos para o espaço, a um planetinha bem distante cuja civilização era de coelhos (A PRINCESA E O ROBÔ). Até situações sinistras, como ficar presa dentro de uma urna fúnebre, já aconteceu (MÔNICA NO CAIXÃO).  

Já está sendo anunciado em fontes seguras pela Internet que, mesmo continuando com a Panini, todos os títulos mensais da turminha retornarão ao número 1, a partir do mês de Maio quando, em verdade, seguiriam para as bancas as edições "101". Ou seja: no próximo mês, ao invés de encontrarmos Mônica, Cebolinha, Cascão, Chico Bento e Magali com os números 101 em suas capas, iremos ver mesmo é reinicio da numeração, estampando já o 1. A revista "TURMA DAMÔNICA" não irá circular mais - em seu lugar, voltará o título "PARQUE DA MÔNICA".

O motivo da "novidade"? Desconheço. Será que está acontecendo algum fato inesperado no índice de vendas? O trabalho de Mauricio sempre tem boa divulgação na mídia como sendo o maior referencial infantil do Brasil. É admirável como ele conseguiu agradar a quase todos os tipos de pessoas ao longo de mais de 50 anos de profissão, ultrapassando barreiras políticas e sociais que poderiam, sim, representar um certo empecilho em seu avanço e colocar em risco o carro forte para o licenciamento de seus milhares de produtos: os gibis. 

Por outro lado, estaria a MSP estaria tão preocupada assim com essas vendas, já que há uma gama de produtos licenciados, de várias espécies e finalidades? Olha! Veja bem! Agora serei um pouco maldoso, mas a intenção é botar os pés nas chuteiras da realidade. Raciocinem comigo: existe mesmo uma imensa variedade de produtos, mas quantos deles você já viu na casa de alguém? Você já viu uma estante da turma da Mônica, um chiqueirinho (aquele recinto para bebês) da turminha na casa de alguém? Já viu algum velotrol da turminha sendo usado por alguma criancinha? Alguma massinha de modelar? Algum quadro no quarto de alguém que você conhece? Algum livrinho recente? 

........  ......... ........ um minuto de silêncio para pensar ....... ....... .......


O que já vi sendo consumido pelas pessoas foram as fraldas para bebês, pois realmente são muito boas e econômicas. Muito melhor do que muita fralda de marca metida a besta por aí. Também alimentos como a cenoura e a maçã. E o extrato de tomate, principalmente na época boa do Jotalhão. Tem também os biscoitos recheados da Triunfo, que trazem a estampa da Turma Jovem. Também já vi alguns livros, sim, quando a pessoa vive uma situação bem mais confortável e os pais optam por comprar para as crianças dormirem ou ao menos se comportarem por alguns minutos, encantadas com as páginas sempre muito bem coloridas e as historinhas fáceis de compreender, adaptadas  justamente para a cabecinha inocente delas. 

Cadernos da turma da Mônica? Existem aos montes. Sempre existiram. Lembro que ganhei um de meu pai ainda nos anos 80. Hoje em dia, há grande procura por eles? Entre os jovens,  acredito que não! Isso seria uma gafe imperdoável entre eles. E que tal uma roupa, de preferência uma camiseta de algodão, com estampa de alguém da turma? Acredito que talvez seja considerada uma gafe no mundo dos pequeninos, que preferem a Minnie ou Margarida (meninas), Homem-Aranha, Batman, Superman (meninos). Dar uma roupa com estampa do Bidu ou Mônica é considerado supostamente um presente de mau gosto. Acaba sendo aquela peça que vão deixar a criancinha usar apenas quando estiver dentro de sua casa, sem que ninguém estranho esteja por perto para ver. Faço o juízo concreto de que talvez poderia haver um público mais adulto para esse tipo de produto. Os leitores veteranos das revistinhas - aqueles que já têm seus 20, 30, 40 anos ou mais - são mais desprovidos de preconceito e possuem uma fidelidade e amor em nome dos gibis que leram (e ainda leem) tal qual o foco especial, as crianças de 3 a 10 anos, infelizmente não têm. Embora eu já tenho visto homens bem gostosos vestindo uma camiseta com a Madonna, Mickey e Minnie, mas ainda não vi nenhum pagando para uma estampa da turma da Mônica. Mas, pode ser perfeitamente possível, sim!

Que tal a MSP pensar em agradar seus leitores veteranos, que são os que mais prestigiam suas obras e as guardam com carinho? São eles quem vão às bancas e escolhem as revistas que vão levar - ou, no mercado, são eles quem vão dar preferência aos produtos que levam o selo da turminha. Por que não incentivá-los ao consumo e por que não procurar melhorar o teor das aventuras em quadrinhos pensando neles? Afinal, o que é muito bom para os adultos vai acabar despertando a atenção das crianças. "Por que será que meu pai guarda com tanto carinho esses gibis?", deve pensar um filho pequeno e curioso, "Algo de muito bom deve ter ali. Quero ver!"

E o que acontece se as vendas das revistas supostamente começarem a cair muito? Bem... as revistas são de certa forma a porta aberta para que o consumidor queira comprar os demais produtos licenciados. Se um dia esse índice cair e continuar caindo, ficará difícil manter as vendas dos mesmos produtos licenciados no mesmo patamar estatístico, vez que a concorrência é grande, o preço conta também e a turma tão amada ao longo de 50 anos acaba caindo no esquecimento. Chega um dia, então, em que você vê a gelatina de limão com a carinha bonitinha do Cebolinha, mas leva a outra porque, afinal, você não conhece mais o Cebolinha, não sente pego ao personagem, não sente nada, aliás.... então, para você, tanto faz levar aquela bonitinha lá ou a outra que nem tem carinha de personagem nenhum, pois o que importa é a gelatina. E o mesmo pode acontecer com as tais maçãs e cenouras. As fraldas, nem tanto. rsrsrs.... São indispensáveis porque realmente são muito boas! kkkkk..... Ninguém quer ficar trocando fraldas toda hora se tem uma da turma da Mônica que segura bem os excrementos do corpo por cerca de três a quatro horas a mais do que o normal. Sejamos sinceros, tá? rsrsrs... Mas cadê a linha infantil de shampoozinho, sabonete para bebê, loções higienizantes para pele delicada dos pupilos? Até estão no mercado. Mas você já viu alguém levar? Hein? Hein?

Desejo que muitas centenas de revistas possam vir. Quero histórias melhores - que não precisam ser longas e nem ter efeitos de luz e sombra, mas basta a criatividade, a imaginação; um pouco de absurdo e ações - que a gente sabe que não deve acontecer na vida real - também são bem vindos.

Sou eu quem compro as revistas aqui na minha casa. Minha família, quando as lê, assim o faz através de mim. Quero ver esse universo dos quadrinhos continuar sendo referência de geração a geração, fazendo a gente levar a tal maçã da Mônica, a gelatina da Magali, o biscoito da Turma Jovem. Qualquer um desses alimentos vai muito bem como acompanhamento para a leitura de um bom gibi.

E fica aqui registrado todo o meu carinho pelos gibis da turma da Mônica.

Fabiano Caldeira.





10 comentários:

  1. Outra marca que adoro é o miojo da turma da Mônica, quando não tem da Mônica só tem outra marca que compro que esqueci o nome, mas o da Mônica é o melhor.
    Eu fiquei feliz em ver toda essa mudança prometida pro próximo mês, vários cancelamentos, as revistas de volta ao número um, acho que vão fazer uma grande mudança nas revistas, bem grande mesmo, tomara que seja pra melhor.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Palhaçada da MSP voltar os gibis mensais ao N°1 de novo..aff :/

    ResponderExcluir
  3. Eu até gostei da novidade, pois isso nn parece ser apenas um reboot.
    Daqui a pouco falo mais no meu blog.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Se esse reboot for pra marcar um novo recomeço, do tipo jogar fora os últimos 8 anos e fazer tudo novo vai valer. mas se para o conteúdo continuar o mesmo, acho desnecessário. Eles podem mudar um pouco o layout dos gibis, como estilo de capa, logotipos e design de sessão de cartas diferentes, mas permanecer com conteúdo do jeito q está. Vamos aguardar mês q vem. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marcos! Estou bastante curioso e mantenho minha esperança de que melhoras possam vir.

      Bem que a empresa poderia adaptar algumas aventuras de Monica Toy para suas mensais. A Disney tem feito isso com alguns poucos episódios novos do Mickey. E ficou bacana. Uma coisa me ocorreu de repente: será que vão mudar a logomarca do nome dos personagens na capa? Espero que não, pois esses nomes aparecem assim desde que foram criados. Se for pra mudar, que apenas coloquem mais sujeira no do Cascão e voltem com a sombra no do Chico Bento. E que tirem o efeito de brilho das letras, pois não há necessidade.

      Abraços e tudo de bom!

      Excluir
    2. Nos logotipos acredito q a imagem dos personagens ao lado do nome devam mudar, sim. Na Globo eram outras e quando foram para Panini mudaram e até seria uma forma pra diferenciar a nova coleção.

      Agora, mudar logotipos creio q não pq é consagrado e seria uma bola fora deles. Só queria q voltassem com a sujeira preta nos do Cascão e com a sombra nos do Chico Bento.

      Os gibis atuais parecem q estão sendo feitos especificamente pra faixa de idades. Para quem tem até 8 anos, a Clássicos do Cinema para entre 9 e 12 anos, Turma da Mônica Jovem pra adolescentes e as Graphic Novels, almanaques e Coleção Histórica para adultos. Uma pena ser assim.

      Excluir
    3. Então, Marcos, penso como você sobre isso. Não me referi aos desenhos colocados ao lado do logotipo. Para mim, eles nem entram no meu questionamento, pois é o de menos. Precisamos de histórias melhores. Acho que isso é essencial. Eles sabem o que não está dando certo e sabem que focar apenas no público das crianças funcionou um tempo, mas agora é preciso de outra estratégia. Resta saber o que eles farão.

      Um abraço!

      Excluir

Peço educação e gentileza na troca de ideias. Obrigado!