terça-feira, 31 de março de 2015

[Revista] Capa da Mônica 100, da Panini


E as revistas mensais da turma da Mônica chegam ao número 100 pela Editora Panini.
Os veículos de comunicação em rede social já estão divulgando algo, ainda que a passos lentos.


Bom... segundo a sinopse, veremos vários personagens de núcleos diferentes da MSP com um visual um tanto "Mônico". É como uma espécie de encarnação da Mônica no corpo deles. É uma pena que histórias como "O TEMPO PRA TRÁS", elaborada há mais de trinta anos, ainda continue insuperável em comparação com as boas HQs de hoje em dia.


segunda-feira, 30 de março de 2015

[TV] Ahhh, essa mídia bandida! Cada vez mais mercenária e irresponsável!

Cada vez mais, eu ando com menos vontade de acompanhar noticiários na TV e seus respectivos programas medíocres que se dizem  jornalísticos. Venho percebendo que não há real cunho informativos nas matérias e a qualidade vem deixando a desejar ano após ano. Um bom exemplo foi o Fantástico ter exibido por duas semanas consecutivas a reportagem sobre os carimbadores transmissores do HIV, o vírus da AIDS. O mais repugnante foi que ficou claro que eles não conseguiram arrumar os carimbadores e então, como tinham que fazer a pauta, resolveram que os "barebackers" podiam se prestar a esses papel. O resultado foi uma falta de informação tremenda e o sensacionalismo equivocado de que o homossexual agora volta a ser um perigo à sociedade. Achei o fim da picada! 

Ainda me lembro dos depoimentos das supostas vítimas onde ficou nítido que elas mesmas nunca se preocuparam em usar o preservativo nas relações que quiseram ter. Óbvio, né? Preservativo é ruim, tira um pouco da sensibilidade e comodidade na hora de fazer sexo e, principalmente num sexo oral, imagine fazer um chupeta no amigo e depois ficar com a boca toda lambrecada de óleo lubrificante por dentro. E mesmo escovando uma, duas e até três vezes, o gosto ainda permanece. Não vamos ser hipócritas. Ninguém gosta de sentir esse tipo de coisa. Os que usam o preservativo, assim o fazem na hora de comer. E devem usar mesmo! Agora, se viu que o parceiro ou a parceira não se prontificou a pegar o preservativo, tenha a iniciativa você mesmo! Mas as pessoas não querem. Na verdade, elas querem que os soropositivos andem com uma plaquinha no pescoço, identificando-se como tal.  Assim, ficaria bem mais fácil não pensar em prevenção. Era só excluir aquele identificado ali, e pronto! Vale lembrar que muitas dessas vítimas de infecção por doenças sexualmente transmissíveis normalmente possuem o hábito de rejeitar a pessoa que procura fazer sexo seguro. Elas não querem. Preferem correr o risco de sentir carne com carne. Principalmente se o cara tem lá suas "vantagens", se é que me entendem. Isso não tem nada a ver com os carimbadores transmissores do HIV. Isso, na verdade, são atitudes inconsequentes que a própria pessoa infectada procurou pra si. 

Os carimbadores são pessoas que não querem que ninguém saiba que elas que possuem o vírus. Muitos simplesmente não tomam os remédios, portanto, os vírus vão se multiplicando em seus organismo. Alguns tomam os remédios, porém, não conseguem "zerar" a carga viral no organismo, então, ficam revoltados. 

Se você teve uma relação sem preservativo com outra pessoa (por favor, NÃO façam isso!), saiba que há vários pontos de atendimentos do SUS, país afora, que estão preparados e ordenados a lhe receber o quanto antes, até cerca 72 horas após a relação ter acontecido, a fim de iniciar um procedimento que se chama "PROFILAXIA PÓS-EXPOSIÇÃO", que nada mais é do que um recurso que lhe permite iniciar a ingestão de determinados remédios que vão impedir que o HIV se instale e se multiplique em seu organismo. É claro que trata-se de algo a médio prazo, pois a pessoa vai ter que seguir à risca as recomendações médicas para a ingestão desses medicamentos, que deve ser contínua, sem interrupções nem brincadeiras, por algumas semanas. Feito isso - com a devida precaução e seriedade - a possibilidade da pessoa desenvolver a infecção pelo vírus HIV será quase nula - tão "quase" quanto a possibilidade de ser infectado por uma pessoa que toma os antirretrovirais, tem carga viral zerada e nenhuma doença oportunista há anos. Isso o Fantástico devia ter informado, mas não fez.

Tomem cuidado com quem vocês saem para se divertir, pois o carimbador transmissor do HIV - e demais outras doenças sexualmente transmissíveis - não tem rosto. Pode ser qualquer pessoa: homem, mulher, heterossexual, bissexual, homossexual, pansexual.... enfim.... ter a iniciativa de encapar o brinquedo antes de usá-lo para comer gostoso pode ser o diferencial determinante do futuro de sua vida. Se viu que a outra pessoa não pegou o preservativo, PEGUE VOCÊ MESMO E USE! Ninguém vai meter uma bala na tua cabeça, ninguém vai te estrangular ou te encher de socos por querer uma relação sexual protegida. No máximo, o que pode acontecer é você, de repente, ser rejeitado. E aí, meu amigo: ajoelhe-se e dê Graças a Deus!

Ah, mas eu vou ter que "brincar" com a camisinha na boca? Eis um tabu que os infectologistas não falam em público, mas torna-se muito comum dentro do consultório, apenas para seu paciente (e como eles negam que fazem isso! mas fazem!) "Não precisa! Nesse caso, não! Mas, há várias doenças sexualmente transmissíveis por aí, que podem sim ser transmitidas por uma simples preliminar. Portanto, fica o bom senso de não sair por aí metendo a boca em qualquer pessoa."
A mídia agora está com o terrorismo de dizer que o sexo oral desprotegido agora causa câncer de laringe. É a nova onda do terror que a TV e demais meios ordinários de comunicação estão espalhando. Pelo sim e pelo não, por favor, não sejam doidos de beber secreções do corpo alheio, seja ela esperma, corrimento o qualquer outro líquido que seja expelido pelo órgão genital ou regiões próximas. Tenha um pouco de juízo na sua brincadeira! Não engula nada que venha do corpo do outro! Jogue fora!

Um assunto que não tem nada a ver com sexo, mas também diz respeito à saúde...

Eu, com meus 102 kilos e pouco mais de 1,82, não tenho colesterol, diabetes, pressão alta, taquicardia, Graças a Deus! Não deixo de comer ou beber nada que quero. Felizmente, tenho o hábito de comer comida de verdade desde criança. O fato de minha mãe caprichar no óleo e no sal - e eu ter crescido com essa comida assim - talvez possa ser um fator determinante, mas o fato é que não gosto de me preocupar com essas coisas que envolvem a alimentação. A mídia sempre vem com novas "descobertas" a respeito de como ter uma vida mais saudável. Algumas matérias que informam as vitaminas e minerais dos alimentos são boas de fato. Já outras, que visam apenas dizer: "não seja gordo!", me cansam a beleza! 

Essa história de que a pessoa vai viver cem anos comendo cenoura crua, alface sem tempero e ovo cozinho na água sem sal.... gente!... quem vive assim, já morreu e não sabe!!! Meu companheiro tem uma tia avó que está com 106 anos. É verdade que ela já está nos deixando, mas viveu 106 anos e sempre comeu e bebeu o que teve vontade. Inclusive, sua criação foi regada a alimentação nadando na gordura de porco, tanto no processo de fazer o alimento para levar à mesa quanto para guardá-lo em conserva, já que ela era do tempo que não se tinha refrigerador em casa. Ela também comia ovo crú com sal no café da manhã e outras coisas mais que a mídia abomina hoje, fazendo a gente assimilar a ideia de que vamos ter um colapso cardíaco a qualquer momento se burlarmos as regras fanáticas da boa alimentação. 

Eu mesmo, quando era criança, comia tanto DIPILIK (aquele pirulitinho que vinha no saquinho e a gente molhava ele constantemente no pó de suco "extra mega fucker químico" dos anos 80). Salgadinhos Elma Chips já não era tão comum, pois o excesso de sal machucava o céu da minha boca, mas sim, volta e meia, lá estava o gordinho nerd de cara de boneca, franjão, roupa surrada e saquinho de salgadinho na mão. Eu não morri, não tive um ataque de pressão alta, nem diabetes.... pelo menos não até agora. E meus dois rins ainda estão comigo. rsrsrs... 

E aí eu vejo algumas pessoas, tão preocupadas em se cuidarem, desenvolvendo um monte de malefícios. Juro que não entendo o porquê dessas doenças acontecerem. Mas penso que esse sensacionalismo da indústria da mídia está por fora! O que vai acontecer é que as pessoas vão envelhecer e vão adoecer do mesmo jeito, cada qual com sua predisposição genética. E daí, elas vão reclamar a quem? Restará conviver com seu quadro de cuidados e restrições para continuarem vivendo - e lamentarem-se por terem perdido tantos anos sem saber o que é correr na praia e encher o pezão de areia, tomar banho de Sol à brisa e ao som das ondas do mar, rejeitar os rodízios de carne e pizza, os bolos de aniversário e muitas outras coisas que teoricamente oferecem sempre um risco à saúde, mas que tornam a vida bem mais gostosa de ser vivida se forem apreciadas de vez em quando com cuidado. 

Podem me achar de ignorante, mas, nada me convence que frutas, verduras e legumes sejam mais saudáveis a um pedaço de carne frita ou cozida, um cafezinho quentinho, uma boa pizza, lasanha ou macarronada com molho a bolonhesa. É inegável saber das propriedades de cada alimento da natureza, mas, como é que posso considerar ser saudável encher minha barriga com tomates, uvas, morangos e maçãs cheios de agrotóxicos? As verduras crescem na terra, desenvolvem-se consumindo esterco, ou seja, cocô! Em alguns lugares, para essa colheita permanecer livre de pragas, ela acaba recebendo seus banhos de proteção com soluções nada saudáveis: substâncias de alto teor cancerígeno. Os milhos, desde a sementinha lançada na terra até o momento da venda ao consumidor, vão sendo envenenados pelo produtor e depois a mídia vem com a maior cara de pau afirmar que o problema está na conversa de água e sal na lata. Não estou inocentando os conservantes da mesma, mas será mesmo que a raiz está dentro de uma lata - a mesma lata que também conserva o extrato de tomate e ninguém nunca diz nada de ruim sobre essa questão. Curioso é ver que a mesma mídia até mete o pau no consumo de carne vermelha, mas arreganha as pernas para a Friboi, Gold Meat e mais algumas outras marcas poderosas do gênero. Eu nunca vi a mesma equipe que se diz jornalística pegar o telespectador em seu horário nobre para informar que aquele pedaço de presunto que a Fátima Bernardes come na frente de todo mundo é tão prejudicial quanto qualquer outro. A informação que vamos tendo é a de que salsicha, presunto e mortadela fazem mal, possuem altas concentrações de sal e gordura, mas aqueles que a Fátima Bernardes, o Tony Ramos e a Angélica comem são muito saudáveis.

É por essas coisas (e muitas outras mais) que não me deixo levar por essa onda fanática de saúde e bem estar que deixa todo mundo magro ou bombado alegando estarem mais felizes assim. Sem dúvida que um corpo bonito é atraente, mas quando você fica mudando cada aspecto de sua vida em busca de alcançar tal patamar, acreditando que ali está a sua felicidade, saiba que está fadado a se desiludir muito acreditando nas mentiras que a mídia lhe fornece usando a televisão (e a Internet) como seus principais veículos de comunicação, onde promete saúde e longevidade aliados a um corpo bonito e feliz. Saiba que o tempo passa para todos. Há quem faça plásticas e demais procedimentos estéticos caros para enganar a fisionomia envelhecida. Mas o espelho sabe (e a própria pessoa também) que, por trás daquela carcaça bonita, existe um organismo que envelhece e, como tal, vai ficando suscetível às mais variadas mazelas.

Quero mais é ser feliz, usar e abusar do que gosto e viver. Depois, quando estiver doente, aí já é uma outra história. Mas, doentes, todos ficaremos. Quando meus remédios para combater o HIV de dentro do meu corpo não fizerem mais efeitos e me trouxerem diversos problemas como perda de visão, audição, coordenação motora e memória, aí já não vai adiantar muito eu me deitar e chorar pelo tempo que tive para ser feliz, mas preferi me privar de tais momentos acreditando num futuro de comercial de margarina.

Mais vale viver dez anos  sendo feliz a ter que ficar robotizado por cem anos ou mais. 


domingo, 29 de março de 2015

[Meus Desenhos] ------





[Vídeo] Campanha pelo direito ao uso do nome social

Campanha em prol do DIREITO AO USO SOCIAL EM TODOS OS ESTABELECIMENTOS e demais recintos públicos.

Participe você também! Faça seu vídeo hoje, 29 de Março de 2015 até as 17 horas, e divulgue por aí!




Faça seu vídeo dizendo  --- eu, fulano de tal, apoio a campanha "SOU TRANS E QUERO DIGNIDADE E RESPEITO", pelo direito do uso do nome social à população "T" (travestis, transexuais e transgêneros). Coloque no You Tube, nas redes sociais, na própria página da campanha no Facebook e aonde mais quiser e possa alcançar o público.

Endereço da página da campanha no Facebook - https://www.facebook.com/pages/Campanha-Nacional-Sou-Trans-e-Quero-Dignidade-e-Respeito/1573427272915642?sk=timeline

A população "T" (travestis, transexuais e transgêneros) sofre com a desmoralização do não uso de seu nome social --- que é o nome pelo qual querem ser chamadas --- gerando, com essa falta de respeito das pessoas, constrangimento e indignação. O uso do nome social para a população "T" é algo importante em sua personalidade e identidade de gênero.

A campanha, toda elaborada pela própria população "T",  começa hoje, dia 29 de Março de 2015, e reivindica esse direito. O direito de serem chamadas como elas querem. é uma questão de mostrar respeito e dignidade a cada pessoa travesti, transexual e transgênero.

Seja sensível e solidário a essa campanha e faça coro com essas pessoas que precisam de força e união. Todos têm o direito de serem o que querem.


sexta-feira, 27 de março de 2015

[Revista] Pato Donald 2441

Com o mercado cada vez mais superaquecido com os encadernados especiais, é preciso manter um olhar no formatinho: aquelas revistinhas simples, de poucas páginas, que são vendidas nas bancas e que aprendemos a conhecer como "gibis". Evidentemente que o encadernado tem seus méritos, porém, foi o velho e antigo formatinho quem acabou abrindo as portas para a leitura de quadrinhos. E não acho justo simplesmente deixá-lo de lado agora. Deve ser porque gosto de seu padrão simples. Sim. é verdade que o papel deveria melhorar um pouco, mas o intuito de entreter com boas histórias ainda está lá - e um bom exemplo são as revistas da Disney publicadas pela Editora Abril.

Falando especificamente do Pato Donald, é o título que mais gosto. Apesar de ficar um pouco cansativo ver a família pato ao longo de todas as 50 páginas, é gostoso ler suas HQs cheias de confusão ou aventura. Donald é um personagem que acabou retratando bastante o comportamento de muitas pessoas que conheço, inclusive o meu mesmo, então deve ser por isso que aprecio tanto.

A edição de Março deste ano traz o numero 2441 na capa. Fico pensando em quantas revistas conseguiram essa numeração assim tão grande. Nenhum outro título me veio à cabeça. É verdade que há outras turmas por aí que, se somarmos a numeração de todas as edições, certamente estaríamos com algo bem páreo. Entretanto, a realidade é o que consta nos autos. E nos autos, infelizmente, preferiram reiniciar a numeração dessa turma a cada mudança de editora. Uma pena, pois adoraria ver o número 1000 em um capa desses personagens. Ver o número 2000 então seria o máximo.

Voltando ao foco, esta edição abre com uma HQ italiana que diferencia bastante o teor do enredo. Trata-se de uma situação onde a casa de Donald é colocada à venda. Mas ele não fez isso e nem seus sobrinhos. Então, quem fez? A descoberta levanta um certo tipo de sentimento que não se costuma encontrar normalmente em suas histórias. De certa forma, pode-se considerá-la um tanto mais infantil do que o habitual, mas não pense que é menos genial. Os diálogos convencem. Ver o Prof. Ludovico, Peninha e Gastão interagindo juntos também acabou ficando bacana. Na real, gostei dela. Diferente dos moldes habituais, mas não é ruim. O MISTÉRIO DA PLACA tem roteiro de Jacopo Cirilo e desenhos de Silvia Ziche. 

A PATRULHA DA PÁSCOA (Roteiro: Sune Troelstrup / Desenhos: Francisco Rodriguez Peinado) vem em seguida, mostrando um Tio Patinhas ambicioso por vender seus ovos de chocolate e coelhos aliens salvando Patópolis de uma terrível invasão do espaço. Putz! Fazia tempo que não lia algo tão divertido com tema da Páscoa! Uma aventura nota 10!

E MAQUIAGEM DUVIDOSA (Roteiro de Kai Vainiomâki / Desenhos: Arild Midthun) encerra a seleção do mês já abrindo uma situação inusitada onde vemos a Margarida com o cabelo, digo, as penas da cabeça diferentes. Ela busca mudar o penteado para o evento costumeiro que reúne aspirantes a poetas de Patópolis. Donald já começa a ficar apreensivo, pois sabe que será obrigado a ficar indo e ouvindo a declamação de muitos versos. Ele pede para que o Prof. Pardal lhe dê um invento que lhe proporcione algo que deixe a Margarida contente, assim, ela não pegará tanto no seu pé no caso de ele ficar desanimado durante o compromisso de logo mais à noite. Acontece que a criatividade do Pardal, como sempre, vai muito além das expectativas do pobre pato. O que era para ser apenas um agrado à namorada, acaba virando um produto para usar em diversas situações. Achei muito hilária essa trama. Eu mijei de rir em alguns momentos. Muito gostoso ver como a Disney ainda me faz rir gostoso com essas histórias.

E para encerrar definitivamente, a seção de cartas (que, na verdade, são de e-mails). Dos cinco e-mails colocados, conheço o Thiago Machuca: uma figura já dos velhos tempos da comunidade Disney no Orkut. Embora eu não tenha mais contato com ele, sempre é bom rever essas pessoas e saber que ainda leem e têm o ímpeto de escrever à revista.


Pato Donald 2441 - Março de 2015 - Editora Abril
Capa linda, todo mundo alegre, brincando na praia


quarta-feira, 25 de março de 2015

[Meus Desenhos] -----


É hora de procurar sempre fazer mais e melhor.
E um detalhe: não tem copia e cola. Cada quadro é uma arte diferente, feita com gosto e dedicação à arte. Nada contra quem usa desses recursos para facilitar suas tirinhas, mas... bem... já entenderam que não sou assim. Existem artistas e artistas por aí. 

Saiba quem você é e procure decolar!



sábado, 21 de março de 2015

[Informática] Baidu Antivirus 2015

Há quase um ano, em meu antigo blogue, publiquei sobre os benefícios do Baidu Faster - um programa que oferecia uma série de recursos para otimizar o computador e ainda vinha com antivírus. Lembro-me bem da ocasião, pois pouco se sabia a respeito desse nome e seus programas derivados que acabavam se instalando sozinhos, sem a permissão da pessoa. O próprio mecanismo principal - Baidu Faster - era assim: a pessoa acaba adquirindo como se fosse algo intruso, ao baixar algum tipo de arquivo por aí.

Quando fiz a postagem expressando minha satisfação com o Baidu - mesmo tendo notificado que não havia perigo porque se tratava de uma concorrente de peso oriunda do oriente e, por isso, pela sua força, logo a Google sentiu-se ameaçada e começou a espalhar centenas de boatos, alegando que tratava-se de programas espiões e malwares disfarçados - surpreendi-me com vários recados no meu Facebook, "inbox", dizendo que o programa era mesmo malicioso e todo o papo de gigante do oriente era balela.

Hoje já é possível fazer novas pesquisas e descobrir que realmente não se trata de uma empresa de espionagem nem terrorismo e muito menos um espalha-vírus e demais ameaças às máquinas. Baidu vem se confirmando uma empresa tão séria que já há várias páginas atestando sua veracidade com maior segurança do que anteriormente - seu programa específico de antivírus já foi premiado como o melhor a nível mundial.

Confesso que foram tantos os pedidos para que eu retirasse o Baidu do meu PC que fiquei com medo e me peguei pensando se de repente esse pessoal não estava com a razão e então resolvi removê-lo. Instalei aquela versão gratuita do McAffee no lugar e até hoje não tive problemas. Hoje o sistema acusou três supostas ameaças - um cavalo de troia e dois arquivos maliciosos. E de repente descubro que o excelente McAffee não me disponibilizou nenhuma ferramenta para tentar retirá-los. Ele faz uma varredura excelente e bem rápida, mas, ao detectar algo, não há como fazer qualquer procedimento para limpar o PC dessas pragas a não ser que adquira a versão paga

Resultado e resumo da ópera: acabei instalando o Baidu Antivírus 2015. 

Caso você também se interesse, ao clicar na imagem, você será levado direto ao site da empresa para o download seguro e sem intermediários do antivírus. 




sexta-feira, 20 de março de 2015

[Texto à toa] Mais um fim de semana chegando e.... ???

E chegou a Sexta-Feira - mais uma Sexta-Feira! E você começa a pensar no que vai fazer para dar um gostinho especial em todo o fim de semana a começar por hoje, logo mais. Sair, visitar um amigo, pegar um colega e dar um giro, ver aonde tem festa pra, quem sabe, aparecer e curtir, dar ma volta no shopping antecipando o program de domingo,  e muitas possibilidades lhe passam à mente. Mas chega o fim do dia e você se lembra de que é apenas um reles "nerd" que nem gosta de balada e não tem tantos coleguinhas assim a ponto de combinar uma cervejada em uma mesa de bar ouvindo a tão tradicional e costumeira música popular brasileira um cenário que se repete exaustivamente já há umas duas gerações, meu pai!




Bom mesmo, pegando os pensamentos que pareceram orbitar algum outro planeta de realidade paralela e trazendo-os de volta a si, será encarar uma boa leitura de gibi e depois um filme bem gostoso na TV por assinatura, que tem mais de 500 canais com uma programação bem diversificada, então certamente haverá algo de bom para ser visto numa Sexta-Feira à noite.

Aí acaba o dia e você começa a ler os seus gibis, dá atenção pra família, lê os seus gibis, dá atenção pra família, lê os seus gibis, dá atenção pra família, lê os seus gibis e de repente surta num grito mal criado para a família que a todo tempo não para de falar na tua orelha: "ESTOU TENTANTO LER UM POUCO, PÔ!" Magicamente o silêncio se instaura e você se sente meio que sozinho no deserto do Saara e finalmente consegue ler o seu gibi. Passa uma hora, duas e você cansa. Está na hora de fazer outra coisa. Uma "D.R." básica sempre ajuda a melhorar o clima desértico em casa. Algumas vezes, o clima fica tão apropriado que dá para ter uns pegas com seu parceiro (ou parceira) e trocar o "óleo do motor", se é que me entendem.




E aí, já leu seus gibis, já deu o bafo do dia em casa, já fez um amorzinho básico, jantou, viu a novela das nove, então chegou a hora de escolher o filme para fechar de vez sua noite incrível. Então você não vê a hora de zapear pelos inúmeros canais da sua TV, na curiosidade de saber o que está passando. Por um minuto, você pena até que vai ficar perdido em meio a tantas escolhas emocionantes que terá que fazer, já que não vai dar para ver dois programas ao mesmo tempo. Então você passa e vê Simpsons. Poutz! Toda hora passa Simpsons nesse canal. Que novidade! No outro, Futurana ou American Dead. Começou mal. Então você vai vendo sempre a mesma coisa se passar diante de seus olhos - um monte de seriado desinteressante ou que você já viu os episódios no mínimo umas três vezes, desenhos que são exibidos à exaustão, documentários no mesmo patamar: os da Natgeo são bem chatos e os da Discovery já passaram tantas milhares de vezes que, àquela altura, você imagina que aquela criança daquele programa já deve estar com uns dez anos a mais. 




Mas e os filmes? O bom do fim de semana é pegar um bom filme. As opções de filmes - Busca Implacável, Assassino a Preço Fixo, Velozes e Furiosos, o Grito 3 e muitos outros títulos que você com certeza já os viu em todos os horários e em quase todos os dias da semana. Então você pensa em ver um bom longa nos canais da Disney, afinal, é Sexta-Feira já bem de noite, horário de dormir, deve estar passando algum longa metragem bacana lá. A Disney possui tantos filmes! 




Três canais da Disney, dois deles recheados com seriados cretinos que mostram o dia a dia de dois adolescentes completamente sem graça e seus amigos. Gozado que todo seriado da Disney tem sido igual, só mudam as pessoas e os nomes, mas a temática é sempre essa mesma. E o terceiro, a última esperança, tem mesmo um longa começando ou que já começou há cerca de dez minutos: Tinker Bell..... Tinker Bell.... Tinker Bell.... AHHHHHHHH... eu tô malucooooo! Então você começa a perceber que o jeito é ir ver o jornal até pegar no sono. E que aquela propaganda que todas as empresas gostam de usar, alegando que a TV por assinatura tem um conteúdo bem diverso com uma porrada de canais, não passa de marketing mesmo, pois em uma Sexta-Feira à noite você não conseguiu encontrar nada para assistir no meio de 500 canais. 




Depois não entendem porque a Internet cresce. Não entendem o sucesso do Facebook. O que eu não entendo é como as pessoas metem o pau no BBB, mas ficam o tempo todo olhando a vida dos outros no Facebook. 



segunda-feira, 16 de março de 2015

[HQ] Penadinho



Só eu achei a situação com um certo duplo sentido?



Cascão 381 - Editora Globo - Agosto de 2001


sábado, 14 de março de 2015

[Revista] Luluzinha Teen: a última edição

A linha "teen" de Luluzinha não vai mais circular nas bancas e demais pontos de vendas (como as Lojas Americanas, por exemplo, onde comprei algumas edições). Não sei de onde se originou o comunicado, mas o fato é que o título foi cancelado. A última edição ganhou as bancas no fim de Fevereiro e ainda é perfeitamente possível garantir a sua. Já peguei a minha e o que vi em seu conteúdo é uma história fechada onde a personagem é usada para apresentar algumas referências de algumas edições que alguém julgou como marcantes. Como não tenho muitos exemplares, acredito que a trama deve haver muito mais referencial do que os que peguei. 



"Pelo amor de Deus! 
Como é a última história de Luluzinha Teen?"

sexta-feira, 13 de março de 2015

[Meus Desenhos] As Gêmeas

Estamos na Sexta-Feira 13 - já é a segunda do ano! E reforçando  a ideia de postar diariamente nesta semana, olha o que eu trouxe para vocês: uma tirinha com as irmãs gêmeas Paulinha, Claudinha e Joel no Bar da Conversa. A seguir, Paulinha, Mário e Firmino em uma noite de luar.







quinta-feira, 12 de março de 2015

[Livro] O Diário de um Mago

Todo brasileiro que diz gostar de ler livros e tem esse hábito com muita frequência, em algum momento, já se deparou com alguma obra de Paulo Coelho. Alguns falam mal. Outros dizem que gostam. Não conheço muito, mas uma - até então digo que seja a mais marcante - que fiz questão de ler é "O Diário de um Mago". 

O que eu achei? Bem... trata-se de uma narrativa em primeira pessoa e dá a impressão de que o próprio autor é quem narra sua aventura pelo caminho de Santiago. Na verdade, é uma trajetória que envolve vários lugares e, apesar de não entender muito bem do que se trata essa referência histórica, parece ser um meio comum e bastante conhecido a quem vê necessidade de andar, andar e andar em busca de um sentido para a vida. Deixando a veracidade do local de lado, atendo-me apenas à trama, é o seguinte: 

Paulo Coelho é sempre o fodão. Posso estar cometendo um equívoco, mas foi o que senti ao ler este e mais dois outros títulos publicados em épocas semelhantes. Ele gosta de contar como foi sua experiência em determinado local, floreia os assuntos de forma que ele mesmo aparece como sendo "o cara" da situação. Se você já viu alguma entrevista dele por aí e consegue digerir todo seu egocentrismo projetado no personagem, saiba que já está a um passo de devorar o livro todo, uma vez que seu relato é bem fácil de se ler.

De lá para cá, algumas outras edições surgiram e não sei dizer se algo foi mudado, acrescentado, retirado etc. Espero que as editoras que estão responsáveis pelas recentes publicações deste título tenham um pouco de bom senso e percebido  como soam bestas aquelas partes anexas onde ele ensina como realizar supostos contatos com demônio e demais exercícios digamos "espirituais". Além de não acrescentar tanto ao que realmente importa na evolução dos acontecimentos, ainda pode contribuir  para que algumas pessoas de mente fraca realmente desempenhem aqueles exercícios e sejam subjetivadas a acreditarem que estão mesmo obtendo alguma experiência paranormal. E tudo o que não desejo é ver, em pleno ano de 2015, ainda mais pessoas loucas acreditando que Paulo Coelho realmente é um mago capaz de ter aberto um canal oculto a elas para suas comunicações com seu anjo ou demônio particular. Já temos doidos religiosos demais e não precisamos de mais essa vertente.

Concluindo, até parece mesmo que meti o pau nesse livro, mas é que simplesmente não dá para aceitar direito como uma história envolvente - que chega a ser apaixonante - de um peregrino ofereça seu espaço a rituais duvidosos de magia que simplesmente não precisavam estar ali. Foram colocados apenas por uma questão de impressionismo, inflar seu ego que na época fazia questão de se promover como sendo um mago. É possível não se prender a esse detalhe e desfrutar da leitura - e obter prazer com ela. Trata-se de um de seus primeiros romances, um início nessa jornada de escritor que ele segue com sucesso agora. Não sei o que mudou hoje em seu modo de escrever, pois ainda não tive a oportunidade de ler seus lançamentos recentes. Até tenho vontade de conhecer "O Zahir" e "Adultério". Acredito que isso acontecerá em eu devido tempo. 

No Skoob há uma página sobre a edição que tenho. Quem quiser, pode ir dar uma xeretada lá. rsrsrs...


quarta-feira, 11 de março de 2015

[Filme] Encaixotando Helena

Continuando as postagens inspiradas na Sexta-Feira 13 que teremos nesta semana (notaram que estamos atualizados diariamente esta semana), desta vez mostro um filme bastante estranho que recomendo a vocês, desde que gostem de fatos intrigantes e cenas fortes, não propriamente envolvendo matança e sangue, pois o filme não tem essas coisas, mas, quando digo "forte", é porque... bem... vocês vão entender logo mais!

A coqueluche do momento é o sucesso no cinema de "50TONS DE CINZA". Muitos chegaram a se lembrar de outro, o "NOVE E MEIA SEMANAS DE AMOR". Curioso que não vi citações a este, o qual escrevo um pouco agora. 


ENCAIXOTANDO HELENA




Alguns podem encarar como uma história de amor. Outros podem ter um grande sentimento de repulsa e revolta, e não entenderem onde está o tal do amor. Tais compreensões devem-se ao fato, na minha opinião, de que a trama carrega um pouco das duas coisas. Desejo, paixão, obsessão, amor e sacrifícios, mutilação e prisão. 

Tudo isso acabou formando o "tempero" desta trama que pode ser observada como mais um romance que fala das muitas faces do amor ou, também, vista como algo psicodélico que nada tem além de fantasias psicóticas de alguém que talvez devesse sofrer de algum grave transtorno mental. Acontece que será VOCÊ quem irá decidir isso!

Dirigido por Jennifer Chambers Lynch - uma mulher que além de diretora também é roteirista e atriz. Pesquisando seu nome, dá para notar que ela ainda anda muito ativa nos tempos atuais com dois seriados: "Teen Wolf" e "Psych", além disso, acabei de ver que seu nome também está na produção de um filme intitulado "Acorrentados". Nem sabia da existência deste, mas agora vou procurar encontrá-lo.
Voltando ao foco, em "Encaixotando Helena", ela assina a direção e o roteiro. Há uma informação de que o lançamento mundial foi em 03 de Setembro de 1993. Mas estas informações técnicas e muitas outras você pode encontrar no site do Adoro Cinema.

Os protagonistas são Julian Sands (Dr. Nick Cavanaugh) e Sherilyn Fenn (Helena). Claro que há outros personagens na história, entretanto, eu garanto que, se você assistir, sua mente estará focada o tempo todo no casal. Ele a conhece e fica nutrindo uma paixão platônica. Tal sentimento se desenvolve tanto a ponto de ele, estupidamente, pensar que pode guardá-la consigo, para sempre. Para garantir que ela não fuja e estrague seus planos de viverem "felizes para sempre", ele amputa suas pernas e braços. Sem ter como se locomover, ela é obrigada a ter que ficar com ele, mas daí a amá-lo já se trata de algo não tão fácil assim.

Como disse antes, não há cenas com mortes, sangue, nada muito nojento, mas a presença forte do erotismo e da obsessão que Dr. Cavanaugh nutre por Helena. E acredite, algumas cenas podem deixar uma pessoa chocada. Como você encararia esse filme após vê-lo? Uma história de amor ou a obsessão transformada em loucura? Você decide!

Não me esquecendo de dar um destaque à música "Sadness", do grupo Enigma, que abrilhanta a trama para mexer ainda mais com a sua cabeça. rsrsrs...



terça-feira, 10 de março de 2015

[Vídeo] HQ Nacional - O Demônio das Matas



"O DEMÔNIO DAS MATAS" é uma história em quadrinhos nacional cujos direitos pertencem a Eberton Ferreira, artista de São Gonçalo-RJ. 

Contato com ele pelos respectivos links:

Eberton Ferreira - https://www.facebook.com/eberton.ferr...

Fanzineston - https://www.facebook.com/groups/70106...

Fanzineston - http://fanzineston.blogspot.com.br/

As revistas infantis ele que produziu há certo tempo podem ser visualizadas gratuitamente no "ISSU" - https://issuu.com/ebertonferreira

[Livro] Tubarão


Que o clássico marítimo de Steven Spielberg foi adaptado de um livro, isso muitos sabem. Será que as pessoas também já tiveram a oportunidade de ler as tais páginas? Espero que sim!

Conheci a obra há uns dez anos e confesso que foi porque meu companheiro a tinha em sua pilha. Então peguei e comecei a ler. Muito boa a narrativa dos momentos em que se focava no peixe e, além disso, havia muito mais a explorar. Ao que me lembro, o tubarão aparece apenas em alguns momentos no romance.

Comparando com o que foi levado ao cinema - praticamente mais conhecido quando finalmente foi exibido na TV brasileira - há a nítida impressão de que o livro tem muito mais conteúdo e não é pelo terror dos mares, mas sim, a questão do delegado que acaba sendo quase como um herói, tendo que lutar solitariamente para que as pessoas, principalmente os turistas, não se tornassem presas fáceis e, ao mesmo tempo, lidar com seus dramas pessoais. Estaria ele com uma mulher incompreensiva? Teria um amigo traidor? Seria tudo coisa da cabeça dele, regada a álcool e um certo sentimento de posse? 

As palavras trazem à tona com maior perfeição a gama de sentimentos e sensações que envolve o delegado e sua esposa, o climão que se instaurou à praia que estava perdendo lucratividade sem que os banhistas pudessem aproveitá-la, a pressão das autoridades municipais exercida constantemente pela liberação do banho de mar, em nome da própria estabilidade financeira do lugar. 

No Skoob tem uma página tal qual muitos leitores registraram suas opiniões. Curiosamente, a capa que a ilustra é a mesma que tenho aqui, da Editora Record, constando como publicado no ano 2000 e tendo cerca de 264 páginas. Quem quiser conferir, é só ir até lá. 






segunda-feira, 9 de março de 2015

[Livro] Labirinto da Morte

Continuando o embalo de postagens inspiradas na próxima Sexta-Feira 13 deste mês de Março, desta vez trago um livro.


Labirinto da Morte


Do mesmo escritor de "Blade Runner, o Caçador de Andróides", a trama me envolveu com a premissa de saber como seria a rotina de um grupo de pesquisadores que é levado a um planeta com grande potencial de vida, intitulado Demak-O. 

Trata-se de uma trama futurista, planejada e desenvolvida supondo que a humanidade já estava em uma era de grandes descobertas acerca do universo e da existência de algo maior que poderia ser considerado Deus,  assim como suas presenças que constroem e também as que destroem.  Apesar dessa explicação, a leitura é fácil, pois não se prende muito a teorias de evolução e nem de apontamentos sobre a existência de algo Maior. O foco é o comportamento dessas pessoas - homens e mulheres - que precisam se autoajudar em Delmak-O, pois algo estranho acontece naquele lugar. Algo que faz com que a morte não seja algo tão distante deles quanto ficou a Terra.

Infelizmente não entendi a última página. Não sei "comi bronha" em algum momento. Vi duas interpretações: uma, de que tudo poderia ter sido um mero sonho e, outra, de que houve uma certa absolvição a "alguém" que simplesmente foi levado a viver sua vida sendo transferido a um ponto-espaço referente ao tempo anterior àquela experiência toda, como se nada tivesse acontecido. Mas, como disse antes, pode ser que não seja nada disso e eu não tenha prestado atenção em alguma coisa, o que é difícil de acontecer, uma vez que a narrativa é bem fácil de assimilar e eu praticamente voei pelas páginas. 

Mesmo não tendo compreendido os últimos parágrafos da história, não tenho como dizer que foi ruim. Eu gostei muito. Em uma escala de 0 a 10, dou nota 8,5. Por quê? Pelo fato da minha falta de compreensão no fim e também achei que poderia ser trabalhado mais o lado teórico do fundamentalismo existencial do universo, Deus, formas positivas de construção e destruição das coisas. Apesar da sinopse nos ambientar ao fato, faltou algo a respeito na trama. Algo que talvez oferecesse uma reflexão. 

Há um link no Skoob que mostra exatamente qual edição eu tenho, lançada em 1990 pela Editora Melhoramentos, com cerca de 200 páginas.



sábado, 7 de março de 2015

[Filme] Sexta-Feira 13

Sexta-Feira 13 está chegando também neste mês de Março. Quero aproveitar a proximidade e fazer postagens que lembram o tema. Nesta, falo exatamente da franquia homônima que obteve bastante sucesso nos anos 80. 


Sexta-Feira 13 


O primeiro filme é o começo de tudo. Sua estreia foi em 01 Dezembro de 1980, nos EUA. Três pessoas trabalharam no roteiro: Sean S. Cunningham, Victor Miller e Ron Kurz. Sean Cunningham também assumiu a direção. 

Nele conhecemos a lenda de Jason Voorhees: uma criança retardada que morreu afogada no lago Cristal enquanto os monitores que estavam por perto faziam sexo. Jason então tornou-se uma alma que vaga pelos arredores à procura de vingança.

O curioso é que não vemos exatamente Jason neste filme. As mortes vão acontecendo, uma a uma, e dá a entender que é ele mesmo, mas o fim do filme revela uma surpresa até de certa forma meio que óbvia, mas penso que na época funcionou bem.

Kevin Bacon está entre os selecionados a morrer que vão passar um tempo em Crystal Lake. Deve ter sido um de seus primeiros trabalhos e talvez ninguém teria a menor ideia de que justo ele, tão sem gracinha no filme, viria ter uma carreira tão promissora. 

Dois prêmios Framboesa foram "conquistados": pior filme e pior atriz. Hoje em dia, porém, há grande admiração e respeito pela obra que é considerada um clássico no gênero de filmes envolvendo acampamento, terror e suspense. 


Considerações:

- É verdade quando dizem que não há muitas mudanças de um filme para outro. 
- Jason não teve um ator fixo que o interpretou em todos os filmes. 
- Jason só apareceu como normalmente é conhecido a partir do terceiro filme, quando ele encontra a máscara de hóquei em um lugar qualquer do acampamento e passa a usá-la para cobrir seu terrível rosto deformado. 
- A franquia praticamente não teve filmes durante a década de 90, chegando a pensar que o fiasco de "Jason vai para o inferno" simbolizasse realmente o fim.
- Em 2002 resolveram retomar. Após vários roteiros negados, a Paramount nos apresentou uma versão futurista.
- Em 2003 apostaram no pão e circo que o público sonhava: Freddy x Jason. Foi fácil inserir Jason dentro de um contexto onde Freddy queria alguém para matar em seu nome, uma vez que todos em sua cidade já sabiam como se precaver dele. Foi divertido ver a cara das pessoas deparando-se com Jason no lugar onde cresceram ouvindo sobre Freddy Krueger.
- Desconsiderem o "remake" de  Sexta-Feira 13 produzido em 2009. 


sexta-feira, 6 de março de 2015

[HQ] Uma seta no caminho



Bidu caminha, caminha, caminha seguindo as setas que parecem orientá-lo ao longo do percurso. De repente ele se dá conta de que a seta é sempre a mesma e que simplesmente está a lhe acompanhar.
Sinistro, hein? Não queria estar perdido assim, não.



Cascão 381 - Editora Globo - Agosto de 2001